Facebook Linkedin Twitter
#
CONTACTE-NOS
(+351) 226 156 500
CICLO DE CINEMA DE JOSÉ ÁLVARO MORAIS
de 17 JUL 2017 a 30 JUL 2017
A primeira retrospetiva integral de José Álvaro Morais no Porto decorrerá ao ar livre, no Parque de Serralves, constituindo uma oportunidade única para redescobrir uma obra maior e ver projetadas a Norte imagens do Sul. Poucos foram os realizadores que terão conseguido interrogar o país de forma tão livre e luminosa. A mostra inicia-se com a estreia de Silêncios do Olhar, documentário de José Nascimento que propõe uma aproximação ao processo criativo do realizador e à singularidade do seu universo, seguindo-se uma apresentação cronológica dos filmes de José Álvaro Morais. A viagem e o exílio, as raízes culturais e o espírito do lugar, a tensão entre pertença e evasão, são alguns dos pontos de fuga que atravessam esta obra onde se pensa o magnetismo de um país que atrai tanto quanto repele.

Curadoria: António Preto

Acesso: 3€ ou mediante aquisição de bilhete Parque
Amigos de Serralves: 1,5€ 
Actividades Relacionadas
17 JUL (SEG): "Silêncios do Olhar" de José Nascimento

José Nascimento
Silêncios do Olhar | Portugal, 2017
2K | cor | 104 min.
Mais do que uma homenagem póstuma, Silêncios do Olhar, do realizador José Nascimento, é uma aproximação à intimidade do processo criativo de José Álvaro Morais e oferece um acesso privilegiado à obra do realizador. Nele se sondam temas e polaridades, ensaiando uma arqueologia das opções estéticas e afetivas que recolocam José Álvaro Morais no centro do seu próprio cinema.
18 JUL (TER): "Cantigamente n.º3"

Cantigamente n.º 3 | Portugal, 1976
16mm | cor | 85 min.
A obra de José Álvaro Morais, realizada toda ela já em democracia, inicia-se com duas encomendas para a televisão, Domus de Bragança (1975) e Cantigamente (1976), filmes que evidenciam o interesse do cineasta pela montagem visual e sonora.
19 JUL (QUA): "Ma Femme Chamada Bicho"

Ma Femme Chamada Bicho | Portugal, 1976
16mm | cor | 79 min.
A confirmação de uma linguagem própria, com filmagens enérgicas e rápidas, chega em Ma Femme Chamada Bicho (1976), retrato de Maria Helena Vieira da Silva rodado em apenas cinco dias.
24 JUL (SEG): "O Bobo"

O Bobo | Portugal, 1987
16/35mm | cor | 123 min.
José Álvaro Morais trabalhou também processos de preparação e de escrita com uma longa maturação, como é o caso de O Bobo (1987), onde o texto de Alexandre Herculano sobre a fundação da nacionalidade serve para perspetivar historicamente as contradições do Portugal contemporâneo. Rodado quase integralmente em estúdio, o filme é uma das produções mais ambiciosas e atribuladas do cinema português (o negativo ficou guardado nas câmaras de
refrigeração da Tobis durante seis anos, por falta de financiamento) tendo sido milagrosamente concluído minutos antes de ganhar o Grande Prémio do Festival de Locarno.
25 JUL (TER): "Zéfiro" e "Margem Sul"

Zéfiro | Portugal, 1994
35mm | cor | 52 min.

Margem Sul | Portugal, 1994
Vídeo | cor | 25 min.
27 JUL (QUI): "Peixe Lua"

Peixe Lua | Portugal, 2000
35mm | cor | 123 min.
A fase final da obra de José Álvaro Morais afirma a sua intensidade solar como "cinema do sul”. Zéfiro (1994), Margem Sul (1994) e Peixe Lua (2000) são filmes-viagem que pensam o país meridional enquanto lugar de cruzamento de culturas, dotado, por isso mesmo e paradoxalmente, de uma identidade única. Vendo Lisboa como a última das cidades mediterrânicas, condenada ao Atlântico pelo vasto estuário do Tejo que a separa da margem "africana”, é entre cacilheiros, touros e marinheiros encalhados que o cineasta faz o reconhecimento de um território onde as fronteiras que separam o Alentejo da Andaluzia se resumem a uma placa de estrada.
30 JUL (DOM): "Quaresma"

Quaresma | Portugal, 2003
35mm | cor | 95 min.
A viagem e o exílio, as raízes familiares enlaçadas com a memória e o espírito do lugar, a aceitação e a recusa da terra onde se nasceu, a tensão entre pertença e evasão são pontos de fuga a que José Álvaro Morais regressa em Quaresma (2003). Neste seu último filme, situado entre a casa dos avós, na Covilhã, e as frias paisagens da Dinamarca, enterra-se definitivamente e sem resposta a melancólica questão, pessoal e nacional, que atravessa toda a sua obra: o magnetismo de um país que atrai tanto quanto repele, as razões profundas que, como se vê no final de O Bobo, levam os portugueses a sair de Portugal para "ser caricatura desta terra noutra terra”.
#
  • LocalClareira das Bétulas
  • Horário22h00 - 00h00
  • Dias 17 JUL 2017 - 30 JUL 2017

Ser Amigo faz a diferença.
Junte-se a nós! 

MoradaRua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto Portugal
Latitude 41º 9'35.40"N
Longitude 8º39'35.35ºW
CONTACTE-NOS 226156500
SIGA-NOS
Serralves