Facebook Linkedin Twitter
#

SPOT FESTA DO OUTONO 2016

Festa do Outono 2016

CONTACTE-NOS
(+351) 226 156 500
FESTA DO OUTONO 2016
de 24 SET 2016 a 25 SET 2016
Final de setembro é sinónimo de outono e nada melhor do que vir até à Quinta de Serralves para celebrar em Família a entrada desta estação do ano!
Na sua 8ª edição, este ano sábado e domingo, a Festa do Outono volta a convidar o público a envolver-se num programa de atividades criativas e educativas, que pretendem reavivar a cultura e a tradição de um tempo antigo, num ambiente de contemporaneidade e de grande festividade.
Experimentar e ampliar conhecimentos em oficinas lúdico-pedagógicas alusivas a temas chave da ciência, participar em percursos de descoberta da fauna e da flora do Parque, redescobrir saberes e práticas ancestrais ligadas à produção de pequena escala, contactar com as raças autóctones de animais domésticos da Quinta e conhecer práticas mais sustentáveis para a preservação dos recursos essenciais à vida, são propostas para boas horas passadas em família! A música e o teatro completarão o cartaz com animação garantida!

Acesso: gratuito 
Entrada: portões da Avenida Marechal Gomes da Costa e da Rua Bartolomeu Velho 141.


  • LocalParque
  • Horário10h00 - 19h00
  • Dias 24 SET 2016 - 25 SET 2016

Pátio da Nogueira, 10h-19h
Mercado da Festa do Outono
Muitas propostas saborosas de produtos frescos ligados a um modo de vida mais consciente e saudável. 

Pátio de Nogueira, 10h-19h
Feira da Festa
Na Feira da Festa poderá encontrar uma variedade de produtos, jogos e merchandising, assim como livros relacionados com a temática do Parque de Serralves.

Jardim Maria Nordman, 10h-19h
Feira de Artesanato Urbano
A Feira de Artesanato Urbano reúne alguns criadores com projetos em áreas como a moda, decoração, ilustração, joalharia, entre outras. 


FOTOGAME – PINTAR COM A LUZ
Parceria: FOTOADRENALINA
Local: Prado
SÁB e DOM: 10h00-13h00 e 15h00-18h00
Já pensou em desenhar com a luz? O projeto FotoGame propõe ao público da Festa do Outono a utilização de lanternas coloridas para escrever ou desenhar figuras durante o dia, no cenário da Quinta de Serralves. O final será um retrato seu, dos amigos ou da família com esta nova técnica de fotografar!


LAVOISIER
Local: Prado
SÁB: 11h45
DOM: 15h00
Depois de se encontrarem em Berlim, deslocados da lusofonia em que cresceram, Lavoisier assumiram como mote a frase de Antoine, a quem pediriam nome emprestado: tudo se transforma e influências tradicionais de Portugal encontraram um novo lugar no diálogo de vozes e guitarras da dupla. 
Com um vincado ascendente no fado, Lavoisier modernizam-no para a era da pop e transformam-no em algo próprio e único.

Matryoshka
Parceria: ESMAE (Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo)
Local: Prado
SÁB: 14h00
Duração: 60 minutos 
Matryoshka é uma espécie de jazz, muito variado no seu repertório, que pretende mudar o conceito dos combos de jazz convencionais. Mas como isso é também o objetivo de todos os outros combos, vamos limitar-nos a tocar umas belas canções, umas mais antigas e outras mais modernas, soltando toda a nossa imaginação.

TÓ TRIPS & JOÃO DOCE
Local: Prado
SÁB: 18h00
Ao vivo, na senda de levar o seu novo disco "Guitarra Makaka” pelo país fora, Tó Trips convida e constrói um espetáculo cúmplice e entusiasmante com o percussionista João Doce, reputado músico angolano.
Falamos de uma música que soube fazer do isolamento uma fortaleza e da independência o melhor que tem a dar de si.

JULINHO DA CONCERTINA
Local: Prado
DOM: 18h00
Julinho, nascido 1951 em Piloncan, na Ilha de Santiago, Cabo Verde, quando chegou a Portugal já tocava concertina (gaita na sua terra natal) desde os seus 5 anos. 
Na era colonial, a concertina era fortemente censurada pela lei e pela igreja, e o funaná era reprimido à força e retratado como música básica, de malfeitor, boémio. Um ritmo temido pelas autoridades coloniais pelo seu poder de despertar a mente e por produzir a sensação de liberdade completa.
Julinho trabalhou numa fábrica de carvão animal na zona de Lisboa durante mais de 30 anos e, em nenhum desses dias, deixou de tocar gaita de forma disciplinada. 
Hoje é, juntamente com Katuta Branca e Bitori Nha Bibinha, a maior lenda viva do funaná, e visto como um tecnicista e virtuoso, ele próprio alterando a gaita para que ela reproduza o "seu" som. A ele juntar-se-iam um baixo e uma bateria, o que deu uma nova dimensão ao seu funaná. É com esta formação que Julinho da Concertina se apresenta em Serralves, servindo o funaná como um ritmo de emancipação. 
O álbum de Julinho da Concertina será lançado este ano pela Celeste/Mariposa Discos.

DUAS CASAS
DE RITA CASTRO NEVES COM COLABORAÇÃO EDUCATIVA DE MATILDE SEABRA/TALKIE-WALKIE
Local: Clareira da Presa
Instalação: 10h00-19h00
Oficinas:
SÁB: 15h00-17h00
DOM: 15h00-19h00

OFICINA
UM BOLSO DO TAMANHO DE UM SEGREDO
Esta instalação é de duas "casas” arquetípicas, de desenho simples: uma grande e uma pequena. As "casas” com uma estrutura de madeira muito simples são revestidas a tecido - tecido feito, construído, a partir do costurar de várias peças de roupa usadas juntas: camisas, t-shirts, calças, peúgas, cachecóis...
Abrigo afetivo e depurado, estas "casas” são uma representação metafórica da possibilidade de juntar todos (por referência a todas as pessoas que usaram efetivamente todas as peças de roupa usada) e tudo (os momentos e as histórias que foram vividos com aquelas roupas, as memórias que despoletam nos seus donos). 
Na dicotomia clássica da História, esta casa assim erigida, com as roupas usadas por vários, é simultaneamente "monumento” e "documento” - mas de uma história anónima. 
A relação de vizinhança, de proximidade entre as duas casas sugere intimidade na separação: dois corpos separados mas próximos: geograficamente, construtivamente, essencialmente. 
Para esta Festa de Outono convidamos cada um a trazer para os dois abrigos um pequeno segredo da sua própria casa, ou da sua vida. Num bolso feito à medida, o segredo ficará ainda mais escondido e aconchegado nestas paredes.


ABÍLIO GUARDADOR DE ABELHAS 
DE GRAEME PULLEYN, LUÍS BELO & RICARDO AUGUSTO
Local: Passeio da Levada
SÁB: 15h00
DOM: 12h30
Abílio Guardador de Abelhas conta a história de um homem na idade da reforma que inesperadamente se encontra sozinho. Após meses sem rumo, irá libertar-se da solidão e da depressão embarcando na insólita aventura de criar abelhas no cimo do seu prédio, no meio de uma cidade sem nome. 
A luta contra vizinhas ranhosas, ratos gordos e inspetores da Direção Geral de Alimentação e Veterinária, é um longo e duro teste à resiliência e à determinação deste apicultor aprendiz e quando se torna evidente que as abelhas não conseguem produzir mel por falta de alimento, Abílio embarca numa campanha de criação de jardins urbanos, mobilizando as (antes detestadas) crianças da escola do seu bairro e todo um bando de improváveis jardineiros clandestinos. 
Graças ao seu esforço, a cidade que antes se desenhava com tons de cinza, pouco a pouco, vai ganhando as cores e o perfume das flores. A alegria do pólen. O sabor do mel. 
Mas a maior conquista de todas dá-se com a entrega do primeiro frasco de mel à vizinha que passa, como por milagre, de ranhosa para amorosa…
Abílio Guardador de Abelhas é uma parábola que procura levantar múltiplas questões sobre as prioridades atuais das chamadas sociedades desenvolvidas e a sustentabilidade da nossa vida coletiva. A solidão, o abandono, a falha de estruturas socias, a proteção da cadeia alimentar, a relação entre o homem e a natureza e a urbanização inteligente, são alguns dos temas centrais numa narrativa que esconde camadas de sentido debaixo de uma superfície aparentemente simples. Acima de tudo este espetáculo é sobre os inesperados e inevitáveis altos e baixos da vida. Com ele celebramos a capacidade do ser humano de se reinventar constantemente e de se fazer guerreiro na batalha pela sua própria felicidade.

Ideia Original: Graeme Pulleyn 
Criação coletiva: Graeme Pulleyn, Luís Belo e Ricardo Augusto 
Música Original: Ricardo Augusto 
Espaço Cénico e Imagens: Luís Belo 
Interpretação: Graeme Pulleyn, Luís Belo e Ricardo Augusto 
Consultadoria técnica: Emanuel Lopes 
Parceiro Institucional: Associação de Apicultores da Beira Alta 
Projeto apoiado pela Câmara Municipal de Viseu no âmbito do programa Viseu Terceiro 
Apoio: Teatro Viriato 
Produção Executiva: Nicho Associação Cultural


DAMA PÉ DE MIM
ANA MADUREIRA
Uma encomenda do Projeto Pedagógico das Comédias do Minho 
Local: Clareira da Presa
SÁB: 11h00
DOM: 11h00 e 17h00
Duração: 40 minutos
Farta de olhar para o umbigo, Dama Pé de Mim monta o seu Cavalo e parte à procura de um amigo. 
A Amália, a mala que já foi crocodilo, conhece o Nuno, a nuvem caída do céu e mergulha no Rio profundo. Mas só quando chega ao supermercado, descobre o que é um amigo. Com a ajuda do Sr. Rodrigo.

Dama Pé de Mim joga com a imaginação e a realidade acontece de uma forma simples: com uma contrabacia cria um cavalo musical, de uma saia de tule faz um rio, a montanha torna-se lixo, uma caixa de cartão revela-se um senhor rabugento. O público, seu cúmplice, acompanha o seu pensamento leve... e livre. O seu castelo, outrora solitário e amarelo, acaba finalmente povoado de seres cheios de vida, história, cor e humor.

Criação e interpretação: 
Ana Madureira 
Cocriação musical: Vahan Kerovpyan
Apoio à criação: Vahan Kerovpyan e Blaise Powell 
Conceção do objeto musical: Nuno Guedes
Desenho de luz: Vasco Ferreira


UMA FAMÍLIA É UMA FAMÍLIA 
DE JOANA PROVIDÊNCIA
Local: Prado
SÁB: 16h00
DOM: 11h45 e 16h00
E se alguém entra em casa com a cabeça nas nuvens, logo chovem perguntas: afinal… o que é uma família? Em que bolso da família… cabem os amigos? E as árvores… têm família? E uma família de números… quantos são à mesa? E de que cor é a lã… da ovelha negra da família? E o miar do gato… soa familiar? Cada família tem uma história para contar. E cada história tem uma família de histórias por descobrir. 

Texto: Eugénio Roda 
Encenação: Joana Providência 
Assistência de Encenação: Anabela Sousa 
Compositores/Músicos: Sofia Nereida Pinto e Tiago Oliveira 
Elenco: Catarina Gomes, Mafalda Pinto Correia e Tiago Jácome
Conceção Plástica: Lola Sousa e Susete Rebelo 
Desenho de Luz: Pedro Vieira de Carvalho
Coordenação de Som: Fábio Ferreira
Adereços e Assistência de Cenografia: Filipe Mendes e Rosana Amorim
Execução de Figurinos: Glória Costa
Apoio a Execução de Figurinos: Cristina Ferreira
Apoio a Execução Plástica: Maria Nogueira
Design Gráfico: Bernardo Providência
Direção de Produção: Glória Cheio


As 47 raças autóctones nacionais são o resultado de um processo milenar de elevado grau de adaptação a condições ambientais, por vezes extremas, que lhes permite uma utilização eficiente dos recursos disponíveis. Estas raças, parte integrante do património histórico e cultural do país, contribuem para a manutenção de sistemas de produção sustentáveis num perfeito enquadramento com o ecossistema. A sua associação a produtos tradicionais de qualidade traduz-se num potencial de valorização económica com um importante papel na fixação das populações nos meios rurais. 

ANIMAIS DA QUINTA
Orientação: Eliana Barbosa
SÁB e DOM: 11h00-12h30, 14h00-15h30 e 16h00-17h30
Local: Estábulos
Esta atividade promove o contacto direto com os animais domésticos de diferentes raças autóctones portuguesas existentes na Quinta de Serralves. Uma oportunidade para ver de perto e compreender a importância destes animais para o ser humano, bem como alguns dos seus hábitos e costumes. 

A RAÇA BORDALEIRA DE ENTRE DOURO E MINHO
Orientação: AMIBA (ASSOCIAÇÃO DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ)
SÁB e DOM: 10h00-13h00; 15h00-19h00
Local: Picadeiro
Com o objetivo de divulgar e promover a raça Bordaleira de Entre Douro e Minho, convidamos o público a visitar o Picadeiro da Quinta de Serralves e contactar com alguns exemplares desta raça. Todos poderão aprender mais sobre as vantagens das raças autóctones relativamente às exóticas, bem como conhecer as suas especificidades.
A AMIBA, Associação de Criadores de Bovinos da Raça Barrosã, é a entidade responsável pelo programa de conservação e melhoramento da raça Bordaleira de Entre Douro e Minho, uma raça ovina autóctone portuguesa que se encontra atualmente em franco declínio. A presença desta raça de ovinos visa dar a conhecer o património genético nacional e divulgar o trabalho desenvolvido pela AMIBA, que representa, para além desta raça autóctone, a raça de bovinos Barrosã, a raça ovina Churra do Minho e as quatro raças autóctones existentes em Portugal de galinhas: raça Branca, raça Amarela, raça Preta Lusitânica e raça Pedrês Portuguesa.

O BURRO DE MIRANDA
Orientação: AEPGA (ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E PROTEÇÃO DO GADO ASININO)
SÁB e DOM: 10h30, 11h30, 12h30; 14h30, 15h30, 16h30, 17h30
Local: Passeio da Levada
Duração: 30 minutos
Lotação: 16 participantes
Nesta atividade todos vão fascinar-se pelo Burro de Miranda e compreender a sua importância social, cultural, económica e ecológica, pois este animal teve durante muito tempo um enorme valor e utilidade como animal de sela, de apoio nos trabalhos agrícolas e de meio de transporte. A sua importância nestas áreas diminuiu com o avançar da mecanização agrícola, êxodo rural e o abandono das práticas agrícolas tradicionais. No entanto, esta raça autóctone é detentora de um património genético, ecológico e cultural único no nosso país.

O GARRANO DO GERÊS
Orientação: CENTRO HÍPICO DO PORTO E MATOSINHOS
SÁB e DOM: 10h00-13h00; 15h00-19h00
Local: Picadeiro
O cavalo garrano é o mais antigo das raças portuguesas. É uma raça protegida devido ao risco de extinção a que esteve sujeito até há poucos anos. 
Esta atividade promove o contacto com o cavalo Garrano, utilizado na equitação, uma modalidade desportiva, classificada como uma terapia em alguns contextos e como uma arte para muitas pessoas, e explora os benefícios decorrentes da sua prática.


SABER-FAZER EM SERRALVES
Conceção e coordenação: Alice Bernardo
SABER FAZER EM SERRALVES oferece uma viagem através das singularidades da Manufatura, contextualizando o conhecimento sobre técnicas de produção e transformação de fibras têxteis à luz de preocupações atuais.
Este ano, o destaque será dado às lãs nacionais através de uma exposição das diferentes lãs produzidas pelas raças de ovinos autóctones e de uma série de demonstrações e oficinas práticas, através das quais poderemos aprender sobre os diversos processos de transformação que envolvem esta matéria-prima - da lã em bruto à tecelagem, passando pela fiação, tinturaria e feltragem.

O CICLO DA LÃ: EXPOSIÇÃO
Horário para visita livre: 10h00-19h00
Horários de visitas guiadas: 
SÁB: 12h30 e 16h00
DOM: 12h00 e 16h00
Ponto de partida: exposição das lãs
Local: Prado
Em visita guiada, o público é convidado a conhecer e relacionar todas as fases associadas ao processamento da lã - desde o contacto com os ovinos até à observação da preparação da fibra, fiação, tinturaria e tecelagem. Em exposição, para visita livre, estarão amostras das diferentes lãs produzidas pelos ovinos autóctones, acompanhados de elementos informativos acerca de cada uma das raças portuguesas.

O CICLO DA LÃ: EXPERIMENTAÇÃO TÊXTIL
SÁB e DOM: 10h00-19h00
Local: Prado
Está é uma oportunidade para todos conhecerem, experimentarem e aprenderem os processos que transformam a fibra em tecido: desde a fiação, à tecelagem e feltragem, passando pelas técnicas de tinturaria.

O CICLO DA LÃ: DEMONSTRAÇÕES PRÁTICAS
SÁB e DOM: 16h00
Local: Prado
Neste momento de demonstração prática convidamos o público a conhecer as técnicas de tinturaria e feltragem.

EXPERIMENTAÇÃO DE CESTARIA
SÁB e DOM: 10h00-19h00
Local: Prado
Uma proposta para aprender as técnicas básicas e conhecer as ferramentas e materiais próprios da cestaria, acompanhando a construção de cestos de vime, do início ao fim.


O PARQUE EM MACRO II
Comissariado: João Almeida
SÁB e DOM: 10h00-19h00
Local: Caminho do Prado

Ver o Parque de Serralves para além do que naturalmente se consegue observar a olho nu é o mote desta exposição.
A macrofotografia, que tem o propósito de captar detalhes de pequenos objetos ou de pequenos seres vivos, muitas vezes invisíveis à vista desarmada, é a técnica utilizada para esta mostra de imagens em grande formato. 
A fauna e a flora do Parque são evidenciadas num universo imenso e pouco explorado, causando a admiração e o deslumbre por este outro mundo escondido que também nos rodeia e que podemos compreender melhor através dos textos, fruto da colaboração com o CIBIO-InBIO.
A exposição integra as imagens vencedoras do concurso lançado ao público para captar o "seu” Parque em macro.


BIOQUIZ
Conceção e Orientação: equipa Serralves 360º, com a colaboração de investigadores do CIBIO-InBIO (Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Laboratório Associado). 
Serralves 360º é um projeto de colaboração Fundação de Serralves-CIBIO-InBIO-Fundação para a Ciência e Tecnologia, para a divulgação de ciência em Serralves.
SÁB e DOM: 11h00; 11h30; 12h00; 12h30; 15h00; 15h30; 16h00; 16h30; 17h00; 17h30
Local: Sala Panorâmica
Duração: 20 minutos
Lotação: limitada ao espaço disponível

O BioQuiz revitaliza o jogo de Quiz - um jogo de perguntas e respostas – adotando como tema a Biodiversidade. O público é convidado a testar os seus conhecimentos em família, respondendo a um conjunto de questões associadas a imagens apelativas, sons surpreendentes e mesmo a alguns cheiros! Diversão e conhecimento para toda a família!


CANTINHO DOS INVESTIGADORES 
Local: Prado
Duração: 45 minutos
Lotação: grupos com um máximo de 25 participantes
No âmbito da parceria entre a Fundação de Serralves e o CIBIO-InBIO (Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Laboratório Associado), o público poderá visitar o "Cantinho dos Investigadores” onde estarão em exposição materiais alusivos a projetos deste centro de investigação. Orientados por investigadores especializados, daqui partirão diversos percursos exploratórios da fauna e flora do Parque de Serralves. 

SÁBADO

OS ANFÍBIOS DE SERRALVES
Orientação: Raquel Ribeiro
Horário: 11h00
Em Portugal ocorrem 17 espécies de anfíbios. Os anfíbios encontram-se numa situação muito delicada em termos de conservação: uma em cada três espécies de anfíbios do mundo apresenta estatuto de conservação preocupante. 
No Parque de Serralves conhecem-se quatro espécies diferentes de anfíbios: rã-verde; tritão-de-ventre-laranja; sapo-parteiro-comum e salamandra-de-pintas-amarelas.

À DESCOBERTA DOS LÍQUENES DE SERRALVES
Orientação: Joana Marques
Horário: 15h00
Os líquenes são seres que resultam da simbiose entre um fungo e uma alga ou cianobactéria. Podem assumir diferentes formas, cores e tamanhos, e colonizam os mais diversos habitats, como troncos de árvores ou rochas. As cerca de 19 000 espécies atualmente conhecidas em todo o mundo atestam o sucesso desta união. Pela sensibilidade de algumas espécies à poluição, são muitas vezes utilizados como bioindicadores da qualidade do ar.

DEMONSTRAÇÃO DE TÉCNICAS UTILIZADAS NO ESTUDO DOS MICROMAMÍFEROS
Orientação: Joana Paupério
Horário:16h00
Apesar de serem muitas vezes considerados como pestes e vetores de doenças, os micromamíferos são, na realidade, uma peça chave para o equilíbrio dos ecossistemas. Além de representarem a base de dieta de muitas espécies, como mamíferos carnívoros, aves de rapina e répteis, são também dispersores de sementes e predadores de grande quantidade e diversidade de invertebrados. 
No Parque de Serralves podem observar-se pelo menos três espécies: o rato-das-hortas, o rato-caseiro e o musaranho-de-dentes-brancos. Aprenderemos aqui quais as técnicas utilizadas no estudo deste grupo de animais.

À DESCOBERTA DAS ÁRVORES E ARBUSTOS DE SERRALVES
Orientação: Sofia Viegas
Horário: 17h00
O Parque de Serralves é reconhecido pela diversidade do seu património arbóreo e arbustivo, composto por mais de 8 000 exemplares. Podemos encontrar espécies nativas, como o azevinho, o folhado ou o carvalho-alvarinho, e exóticas como o tulipeiro-da-Virgínia, o liquidâmbar e o carvalho-americano. Estes são apenas alguns exemplos das cerca de 230 espécies e variedades que aqui existem.

DOMINGO

OS RÉPTEIS DE SERRALVES
Orientação: Raquel Ribeiro
Horário: 11h00
Os répteis são dos animais mais incompreendidos, em grande parte devido ao desconhecimento da sua biologia e ecologia. A maioria das espécies que ocorre em Portugal é totalmente inofensiva e todas optam primordialmente pela fuga quando se sentem ameaçadas. O seu comportamento esquivo e discreto permite-lhes passar despercebidos, tornando a sua observação um desafio. 
No Parque de Serralves ocorrem pelo menos duas espécies de répteis: lagartixa-de-Bocage e licranço.

OS INSETOS DO OUTONO EM SERRALVES
Orientação: José Manuel Grosso-Silva
Horário:15h00
Os insetos, artrópodes com 3 pares de patas e o corpo dividido em 3 segmentos, representam cerca de 90% de todas as espécies animais conhecidas.
Herbívoros, predadores, polinizadores e decompositores, são elementos fundamentais para o equilíbrio dos ecossistemas. São também a principal fonte de alimento para muitos outros grupos animais como anfíbios, répteis, aves e mamíferos.

DEMONSTRAÇÃO DE TÉCNICAS UTILIZADAS NO ESTUDO DOS MORCEGOS
Orientação: Vanessa Mata
Horário:17h00
Os morcegos são seres misteriosos para a maioria das pessoas, nomeadamente devido aos seus hábitos noturnos. Possuem a capacidade de se movimentarem no escuro utilizando um sistema de ecos de ultrassons. As espécies descritas em Portugal alimentam-se principalmente de insetos, funcionando como controlo das populações de insetos. Enfrentam graves problemas de conservação associados à perda e alteração do habitat. 
O Parque de Serralves oferece abrigo e/ou alimento a pelo menos duas espécies de morcegos: o morcego-anão e o morcego-hortelão. Vamos conhecer mais sobre este grupo de animais e quais as técnicas utilizadas no seu estudo.


Atividades para todas as idades, sem marcação prévia, sujeitas à lotação em cada momento, dentro do horário de funcionamento.
Local: Prado e Celeiro
Horário: 10h00-19h00

SÁBADO

À VOLTA DA PALHA
Orientação: Catavento, Lda.
Aqui a palha é a rainha das criações para, em família, inventar o que a imaginação propuser: bonecos-brinquedo inspirados nos bichos da Quinta e da Horta, personagens de uma história… Uma viagem ao mundo da criatividade com materiais naturais num ambiente de Festa tradicional.

DAR A VOLTA À FOLHA
Orientação: Andreia Coutinho, Magda Silva, Melissa Rodrigues, Rita Faustino
Roda, gira e mira cores e formas que se multiplicam! Grandes caleidoscópios, stencils e desenhos, mapas imaginários e paisagens utópicas: de folha em desenho e de desenho em folha iremos viajar e novos mundos criar. De árvore em árvore a volta ao mundo iremos dar!

INSETORIUM
Orientação: Anabela Pereira, Dina Marques
Quais os insetos polinizadores que habitam os nossos jardins? Porque são tão úteis na Natureza e porque precisam da nossa ajuda? Vamos conhecê-los e compreender o seu papel extraordinário no auxílio às plantas na produção dos variadíssimos frutos e sementes de que nos alimentamos. Como os podemos ajudar e atrair mais destes alegres amigos para os nossos canteiros e hortas?

O VENTO É O AR EM MOVIMENTO
Orientação: Paulo Jesus, Raquel Correia, Rita Roque
O que é o vento? O vento é o ar em movimento. 
Nesta Festa do Outono queremos celebrar o vento. Cada um contribuirá com uma ventoinha colorida à sua medida para todos fazermos parte de uma grande instalação!

PINTURAS NA QUINTA
Orientação: Ana Martins, Ilda Sousa
Ao ar livre e em cavaletes, vamos pintar com tintas coloridas e fazer desenhos com formas reais e imaginárias. Podes imitar o que vês à tua volta, criar garatujas com riscos ou até fazer borrões, vale tudo para passar ao papel a chegada do outono!


DOMINGO

À VOLTA DA PALHA
Orientação: Catavento, Lda.
Aqui a palha é a rainha das criações para, em família, inventar o que a imaginação propuser: bonecos-brinquedo inspirados nos bichos da Quinta e da Horta, personagens de uma história… Uma viagem ao mundo da criatividade com materiais naturais num ambiente de Festa tradicional.

EXPLORAR A BIODIVERSIDADE 
Orientação: Mundo Científico, Lda.
O Parque de Serralves alberga inúmeros seres vivos nos seus jardins, canteiros, pontos de água e Horta, vitais para o seu equilíbrio ecológico. Abelhas polinizadoras, minhocas detritívoras, joaninhas predadoras, serão alvo da nossa atenção para compreender quais as funcionalidades ecológicas dos diferentes grupos animais existentes neste Parque.

FIBRAS NATURAIS
Orientação: Mundo Científico, Lda.
As fibras encontram-se atualmente associadas a toda e qualquer atividade humana. Vamos conhecer diferentes fibras utilizadas tradicionalmente no vestuário, testar algumas das suas propriedades e experimentar formas naturais de tingimento, através de materiais orgânicos e minerais.

IMPRESSÕES OUTONAIS
Orientação: Cristina Camargo, Joana Nascimento, Mariana Assunção, Sofia Santos
Os princípios de captação das imagens por uma câmara escura vão inspirar-nos a registar impressões outonais do Parque de Serralves. Estas impressões vão inverter-se, duplicar-se, transferir-se e cobrir-se com as cores do Outono!

MICROMUNDOS
Orientação: Mundo Científico, Lda.
Num micromundo tudo é praticamente invisível ao nosso olhar. Vamos ampliar e desvendar formas de vida que se entrelaçam no solo, na água, em pequenos troncos ou nos interstícios de pedras. Observaremos bactérias fixadoras de nutrientes, extratos vegetais antibacterianos, fungos decompositores de resíduos orgânicos e esporos responsáveis pelo cheiro da terra. 

O MEU CORPO É UMA ÁRVORE
Orientação: André Rodrigues, Dina Marques, Inês Caetano, Rita Roque
A partir da relação e das diferenças entre o animal e o vegetal iremos criar possibilidades de novos corpos: corpo-árvore, corpo-paisagem… Encarar o corpo como paisagem vai permitir-nos cruzar elementos humanos com elementos vegetais. Num exercício surrealista, vamos misturar dois mundos distintos, mas que interagem de forma próxima e, assim, perceber como dois corpos podem apresentar semelhanças, numa tão complexa biodiversidade.

O VENTO É O AR EM MOVIMENTO
Orientação: Paulo Jesus, Raquel Correia, Raquel Sambade, Sónia Borges
O que é o vento? O vento é o ar em movimento. 
Nesta Festa do Outono queremos celebrar o vento. Cada um contribuirá com uma ventoinha colorida à sua medida para todos fazermos parte de uma grande instalação!

OFICINA DA TERRA 
Orientação: Mundo Científico, Lda.
Na Oficina da Terra trataremos das propriedades de plantas aromáticas, medicinais e condimentares, existentes em muitos dos jardins e hortos botânicos portugueses. Da rota das especiarias aos trilhos da cosmética, muitos vão ser os estímulos aos sentidos. Vamos extrair aromas, produzir argilas dermatológicas ou pasta de dentes natural.

PINTURAS NA QUINTA
Orientação: Ana Martins, Ilda Sousa
Ao ar livre e em cavaletes, vamos pintar com tintas coloridas e fazer desenhos com formas reais e imaginárias. Podes imitar o que vês à tua volta, criar garatujas com riscos ou até fazer borrões, vale tudo para passar ao papel a chegada do outono!

ROTA DOS SABORES
Orientação: Mundo Científico, Lda.
Num convite ao paladar experimentaremos velhos sabores com novos hábitos: germinados e fermentados, desidratados e transformados ou simplesmente cozinhados. 
Muitos serão os petiscos de outono que prepararemos para a festa. Quem vem saborear?

SUSTENTAR
Orientação: Mundo Científico, Lda.
Sustentar propõe uma aventura pelas construções ecológicas. Paredes verdes, brinquedos naturais, tijolos de pasta de papel ou estufas hidropónicas, pelo meio da física e da criatividade surgem soluções sustentáveis para a construção de protótipos e estruturas de pequena escala. Vem construir connosco!


PARCERIAS
Associação de Criadores de Bovinos da Raça Barrosã (AMIBA)
Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino (AEPGA)
Câmara Municipal do Porto
Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO)
Centro Hípico do Porto e Matosinhos
Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo (ESMAE)
Fotoadrenalina
Noite Europeia dos Investigadores


Diretora Geral: Odete Patrício
Diretora do Museu: Suzanne Cotter
Diretor de Recursos e Projetos Especiais: Rui Costa
Diretor Comercial, Desenvolvimento e Comunicação: Miguel Rangel
Diretora Administrativa e Financeira: Sofia Castro

PROGRAMAÇÃO
Serviço Educativo: Elisabete Alves, Denise Pollini
Produção: Lovers & Lollypops
Consultoria: Giacomo Scalisi
Produção e Montagem: Ana Rocha, Anabela Silva, António Rocha, Augusto
Alves, Augusto Sousa, Carla Almeida, Carlota Carqueja, Hugo Viana, Júlio Fonseca, Luciana Pereira, Manuel Alves, Manuel Pinto, Miguel Pinheiro, Paula Gouveia, Ricardo Bravo
Serviço de Artes Performativas: Cristina Grande, Pedro Rocha
Som: Nuno Aragão
Vídeo: Carla Pinto



Ser Amigo faz a diferença.
Junte-se a nós! 

MoradaRua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto Portugal
Latitude 41º 9'35.40"N
Longitude 8º39'35.35ºW
CONTACTE-NOS 226156500
SIGA-NOS
Serralves