Facebook Linkedin Twitter

OFICINAS ARTES

As oficinas são atividades que têm por objetivo estimular a curiosidade, a criatividade e a reflexão por intermédio da prática. O conceito de "hands on/minds on”, de que a experimentação está associada ao processo pedagógico, é a base das nossas oficinas e laboratórios realizados em sala, no Parque ao ar livre, entre o Museu e a Casa de Serralves ou em articulação com a Biblioteca.

…em Sala

TINTA À SOLTA!
Vamos pintar aquilo que somos! E podemos ser um rosto, uma árvore ou uma Colher de Jardineiro... O desafio vai ser descobrir, afinal, o que somos nós? Como vamos nós pintar? E de que tamanho serão as nossas pinturas?
Esta é uma atividade que implica o corpo e o movimento na compreensão do gesto na pintura.
Conceção: C. Camargo – Oficinas de Artes,Joana Nascimento, Sofia Santos
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º e 2º ciclos)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

IMAGINÁRIO DE SONS
Do bater da porta à chuva que cai; dos passos na rua a um bocejo; do lavar a loiça ao ligar a luz... Constantemente escutamos os sons que nos rodeiam, sem nos apercebermos de que os silêncios são outros tantos pequenos ruídos.
Ruídos esses que se podem transformar em música. Através da construção e interpretação de partituras gráficas, evocando obras de artistas, exploraremos o som, a colagem, o desenho, a performance numa reflexão prática sobre a interceção das artes plásticas com a música e com a construção de paisagens sonoras.
Conceção: Rita Faustino
Público-alvo: ensino pré-escolar, básico e secundário
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

… no Museu

BARALHO DE ESTÓRIAS
Vamos conhecer Serralves pelas suas histórias e lendas. Quem foi o primeiro dono, como era o jardim antes da construção da casa, os segredos do museu e das obras de arte que hoje lá habitam, os recantos da casa cor-de-rosa ou os mistérios das árvores do Parque. Ao sabor do tempo, ora se descortinarão mais estórias do Museu e escondemo-nos da chuva e do frio, ora desfrutaremos do jardim e da casa. A partir destas histórias e lendas, vamos realizar alguns exercícios que valorizam a criação, a escrita, o desenho e o contar de estórias. Vamos criar um baralho de cartas desenhado por todos, um jogo para baralhar e criar mais estórias em grupo, a qualquer hora e em qualquer lugar.
Conceção: Constança Araújo Amador, Raquel Correia,  Sónia Borges
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º ciclo)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

VAMOS LEVAR UMA LINHA A PASSEAR
Que sabor terá uma obra de arte? A que cheira? O que ouvimos numa exposição? Aquela obra será macia ou rugosa? Esta oficina procura valorizar a experiência sensorial e física que constitui o desenvolvimento do pensamento, das emoções e da criatividade. Vamos despertar o corpo e ativar a mente, interagindo com os objetos, os espaços e os conceitos, através do uso do desenho, dos sons, dos movimentos e da palavra. Vamos explorar o território, observar ativamente aquilo que nos rodeia e traçar a cartografia do nosso percurso num diário gráfico.
Conceção: Patícia do Vale
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

MÁQUINA DE SOLTAR IDEIAS
Como surgem as ideias? Como expressar as nossas opiniões, vontades e sentimentos? Partindo de uma perspetiva interdisciplinar entre arte contemporânea, pensamento crítico e movimento corporal, iremos nestas sessões de filosofia com crianças pôr o corpo a pensar. Cores, formas, cheiros e sons habitam esta "Máquina de soltar ideias” que irá fabricar coisas novAs através do emaranhado de palavras e jogos de sentidos numa dinâmica viva, participante e lúdica!
Conceção: Melissa Rodrigues
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º e 2º ciclos)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

VER DE OLHOS FECHADOS
Do que está à nossa volta, o que se vê e revela quando fechamos os olhos? Sons, texturas, cheiros... Se os sentimos, como os desenhamos depois, com os olhos abertos? Esta oficina será um ponto de partida para uma viagem sensorial e para exercitar a capacidade de sentir, memorizar e representar sensações. Usando todos os sentidos, no Museu e no Parque, iremos descobrir obras de arte e lugares que se revelam em Serralves.
Conceção: Joana Nascimento, Sofia Santos
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)
… no Parque ao ar livre

MÃOS, BRAÇOS E ABRAÇOS
Nesta oficina, valorizar-se-á a relação entre nós e os outros através de jogos teatrais que abordam a relação de grupo, o corpo, o espaço envolvente, o apuramento de sentidos, a criatividade e a expressão espontânea. Recriar-se-ão adereços em forma de mãos e braços para ver, acariciar, abraçar, sentir, comunicar, contar histórias, representar. Com as adaptações necessárias à faixa etária dos grupos, as atividades poderão passar por desenhar, recortar, rasgar, dobrar, colar, pintar e conjugar formas e cores, de modo a brincar, no final, ao faz de conta, soltando a alegria e a imaginação.
Conceção: C. Camargo − Oficinas de Artes
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º ciclo)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

…em Sala

TINTA À SOLTA!
Vamos pintar aquilo que somos! E podemos ser um rosto, uma árvore ou uma Colher de Jardineiro... O desafio vai ser descobrir, afinal, o que somos nós? Como vamos nós pintar? E de que tamanho serão as nossas pinturas?
Esta é uma atividade que implica o corpo e o movimento na compreensão do gesto na pintura.
Conceção: C. Camargo – Oficinas de Artes,Joana Nascimento, Sofia Santos
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º e 2º ciclos)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

IMAGINÁRIO DE SONS
Do bater da porta à chuva que cai; dos passos na rua a um bocejo; do lavar a loiça ao ligar a luz... Constantemente escutamos os sons que nos rodeiam, sem nos apercebermos de que os silêncios são outros tantos pequenos ruídos.
Ruídos esses que se podem transformar em música. Através da construção e interpretação de partituras gráficas, evocando obras de artistas, exploraremos o som, a colagem, o desenho, a performance numa reflexão prática sobre a interceção das artes plásticas com a música e com a construção de paisagens sonoras.
Conceção: Rita Faustino
Público-alvo: ensino pré-escolar, básico e secundário
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

ISTO NÃO É UM LIVRO!
Isto não é só um livro para se ler, ver ou perder no meio de tantos outros. Nesta oficina vamos conhecer o conceito de "Livro de artista” apresentando publicações da Coleção de Serralves onde os artistas contemporâneos exploram o livro enquanto suporte artístico. Desde o formato ao seu manuseio vamos criar um livro-objeto onde se conjugam, com criatividade e algum atrevimento, formas, palavras, imagens e estórias. Se isto não é um livro, então o que é?
Conceção: Sónia Borges, Raquel Sambade
Público-alvo: ensino básico (1º, 2º e 3º ciclos) e secundário
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

CORPO-COISA
Como vemos, sentimos e representamos o nosso corpo? Quais as fronteiras entre nós e a realidade circundante?
Corpo-coisa convida-nos a explorar o universo de relações que se podem estabelecer entre o espaço, o movimento e as coisas que aí coabitam com o nosso corpo, num diálogo permanente com autores contemporâneos - Dennis Oppenheim, Bruce Nauman, Helena Almeida, Augusto Boal, Lourdes Castro, Erwin Wurm, entre outros –alguns deles presentes na coleção do Museu de Serralves. O lúdico, o insólito e a criatividade serão a base de uma oficina performativa que integra a escultura, a expressão dramática e o desenho.
Conceção: Samuel Silva
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)

… no Museu

BARALHO DE ESTÓRIAS
Vamos conhecer Serralves pelas suas histórias e lendas. Quem foi o primeiro dono, como era o jardim antes da construção da casa, os segredos do museu e das obras de arte que hoje lá habitam, os recantos da casa cor-de-rosa ou os mistérios das árvores do Parque. Ao sabor do tempo, ora se descortinarão mais estórias do Museu e escondemo-nos da chuva e do frio, ora desfrutaremos do jardim e da casa. A partir destas histórias e lendas, vamos realizar alguns exercícios que valorizam a criação, a escrita, o desenho e o contar de estórias. Vamos criar um baralho de cartas desenhado por todos, um jogo para baralhar e criar mais estórias em grupo, a qualquer hora e em qualquer lugar.
Conceção: Constança Araújo Amador, Raquel Correia,  Sónia Borges
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º ciclo)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

VAMOS LEVAR UMA LINHA A PASSEAR
Que sabor terá uma obra de arte? A que cheira? O que ouvimos numa exposição? Aquela obra será macia ou rugosa? Esta oficina procura valorizar a experiência sensorial e física que constitui o desenvolvimento do pensamento, das emoções e da criatividade. Vamos despertar o corpo e ativar a mente, interagindo com os objetos, os espaços e os conceitos, através do uso do desenho, dos sons, dos movimentos e da palavra. Vamos explorar o território, observar ativamente aquilo que nos rodeia e traçar a cartografia do nosso percurso num diário gráfico.
Conceção: Patícia do Vale
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

MÁQUINA DE SOLTAR IDEIAS
Como surgem as ideias? Como expressar as nossas opiniões, vontades e sentimentos? Partindo de uma perspetiva interdisciplinar entre arte contemporânea, pensamento crítico e movimento corporal, iremos nestas sessões de filosofia com crianças pôr o corpo a pensar. Cores, formas, cheiros e sons habitam esta "Máquina de soltar ideias” que irá fabricar coisas novAs através do emaranhado de palavras e jogos de sentidos numa dinâmica viva, participante e lúdica!
Conceção: Melissa Rodrigues
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º e 2º ciclos)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

VER DE OLHOS FECHADOS
Do que está à nossa volta, o que se vê e revela quando fechamos os olhos? Sons, texturas, cheiros... Se os sentimos, como os desenhamos depois, com os olhos abertos? Esta oficina será um ponto de partida para uma viagem sensorial e para exercitar a capacidade de sentir, memorizar e representar sensações. Usando todos os sentidos, no Museu e no Parque, iremos descobrir obras de arte e lugares que se revelam em Serralves.
Conceção: Joana Nascimento, Sofia Santos
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

ENCONTROS NO MUSEU: ARTE CONTEMPORÂNEA E ARQUITETURA
A programação expositiva e as várias dimensões de experiência proporcionadas
pelo Museu de Serralves constituem o ponto de partida para debates e exercícios sobre a arte contemporânea e/ou sobre a arquitetura. Estes encontros associam ao exercício do diálogo a partilha e a exposição teórica de saberes em torno destas práticas. Para além dos temas que podem emergir de cada exposição patente no museu, propomos:
Práticas, movimentos e geografias artísticas contemporâneas;
Estética: valores estéticos e juízo de gosto, razão e sensibilidade;
As relações entre imagem e texto (o verbal e o visual);
Curadoria; instituições artísticas: mecanismos de produção socioculturais;
A arte e os seus múltiplos significados, valores e funções;
Arte e arquitetura; interpretação e análise formal;
Perspetivas interdisciplinares em torno da arte contemporânea (psicologia, pedagogia, antropologia, crítica, história, linguística, entre outros);
Diálogos arquitetónicos: da Casa (Art Déco) ao Museu de Serralves (Siza Vieira).
Cada sessão é dedicada a um tema, escolhido em função das preferências indicadas pelo grupo visitante no momento da marcação desta atividade.
Conceção e orientação: José Maia, Pedro Cachapuz, Rita Martins, Samuel Silva, Talkie-Walkie
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)
… no Parque ao ar livre

MÃOS, BRAÇOS E ABRAÇOS
Nesta oficina, valorizar-se-á a relação entre nós e os outros através de jogos teatrais que abordam a relação de grupo, o corpo, o espaço envolvente, o apuramento de sentidos, a criatividade e a expressão espontânea. Recriar-se-ão adereços em forma de mãos e braços para ver, acariciar, abraçar, sentir, comunicar, contar histórias, representar. Com as adaptações necessárias à faixa etária dos grupos, as atividades poderão passar por desenhar, recortar, rasgar, dobrar, colar, pintar e conjugar formas e cores, de modo a brincar, no final, ao faz de conta, soltando a alegria e a imaginação.
Conceção: C. Camargo − Oficinas de Artes
Público-alvo: ensino pré-escolar e básico (1º ciclo)
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

…em Sala

IMAGINÁRIO DE SONS
Do bater da porta à chuva que cai; dos passos na rua a um bocejo; do lavar a loiça ao ligar a luz... Constantemente escutamos os sons que nos rodeiam, sem nos apercebermos de que os silêncios são outros tantos pequenos ruídos.
Ruídos esses que se podem transformar em música. Através da construção e interpretação de partituras gráficas, evocando obras de artistas, exploraremos o som, a colagem, o desenho, a performance numa reflexão prática sobre a interceção das artes plásticas com a música e com a construção de paisagens sonoras.
Conceção: Rita Faustino
Público-alvo: ensino pré-escolar, básico e secundário
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

ISTO NÃO É UM LIVRO!
Isto não é só um livro para se ler, ver ou perder no meio de tantos outros. Nesta oficina vamos conhecer o conceito de "Livro de artista” apresentando publicações da Coleção de Serralves onde os artistas contemporâneos exploram o livro enquanto suporte artístico. Desde o formato ao seu manuseio vamos criar um livro-objeto onde se conjugam, com criatividade e algum atrevimento, formas, palavras, imagens e estórias. Se isto não é um livro, então o que é?
Conceção: Sónia Borges, Raquel Sambade
Público-alvo: ensino básico (1º, 2º e 3º ciclos) e secundário
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 alunos (mín.)/20 alunos (máx.)

CORPO-COISA
Como vemos, sentimos e representamos o nosso corpo? Quais as fronteiras entre nós e a realidade circundante?
Corpo-coisa convida-nos a explorar o universo de relações que se podem estabelecer entre o espaço, o movimento e as coisas que aí coabitam com o nosso corpo, num diálogo permanente com autores contemporâneos - Dennis Oppenheim, Bruce Nauman, Helena Almeida, Augusto Boal, Lourdes Castro, Erwin Wurm, entre outros –alguns deles presentes na coleção do Museu de Serralves. O lúdico, o insólito e a criatividade serão a base de uma oficina performativa que integra a escultura, a expressão dramática e o desenho.
Conceção: Samuel Silva
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)

… no Museu

ENCONTROS NO MUSEU: ARTE CONTEMPORÂNEA E ARQUITETURA
A programação expositiva e as várias dimensões de experiência proporcionadas
pelo Museu de Serralves constituem o ponto de partida para debates e exercícios sobre a arte contemporânea e/ou sobre a arquitetura. Estes encontros associam ao exercício do diálogo a partilha e a exposição teórica de saberes em torno destas práticas. Para além dos temas que podem emergir de cada exposição patente no museu, propomos:
Práticas, movimentos e geografias artísticas contemporâneas;
Estética: valores estéticos e juízo de gosto, razão e sensibilidade;
As relações entre imagem e texto (o verbal e o visual);
Curadoria; instituições artísticas: mecanismos de produção socioculturais;
A arte e os seus múltiplos significados, valores e funções;
Arte e arquitetura; interpretação e análise formal;
Perspetivas interdisciplinares em torno da arte contemporânea (psicologia, pedagogia, antropologia, crítica, história, linguística, entre outros);
Diálogos arquitetónicos: da Casa (Art Déco) ao Museu de Serralves (Siza Vieira).
Cada sessão é dedicada a um tema, escolhido em função das preferências indicadas pelo grupo visitante no momento da marcação desta atividade.
Conceção e orientação: José Maia, Pedro Cachapuz, Rita Martins, Samuel Silva, Talkie-Walkie
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)

… em Sala

CORPO-COISA
Como vemos, sentimos e representamos o nosso corpo? Quais as fronteiras entre nós e a realidade circundante?
Corpo-coisa convida-nos a explorar o universo de relações que se podem estabelecer entre o espaço, o movimento e as coisas que aí coabitam com o nosso corpo, num diálogo permanente com autores contemporâneos - Dennis Oppenheim, Bruce Nauman, Helena Almeida, Augusto Boal, Lourdes Castro, Erwin Wurm, entre outros –alguns deles presentes na coleção do Museu de Serralves. O lúdico, o insólito e a criatividade serão a base de uma oficina performativa que integra a escultura, a expressão dramática e o desenho.
Conceção: Samuel Silva
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)

… no Museu

ENCONTROS NO MUSEU: ARTE CONTEMPORÂNEA E ARQUITETURA
A programação expositiva e as várias dimensões de experiência proporcionadas
pelo Museu de Serralves constituem o ponto de partida para debates e exercícios sobre a arte contemporânea e/ou sobre a arquitetura. Estes encontros associam ao exercício do diálogo a partilha e a exposição teórica de saberes em torno destas práticas. Para além dos temas que podem emergir de cada exposição patente no museu, propomos:
Práticas, movimentos e geografias artísticas contemporâneas;
Estética: valores estéticos e juízo de gosto, razão e sensibilidade;
As relações entre imagem e texto (o verbal e o visual);
Curadoria; instituições artísticas: mecanismos de produção socioculturais;
A arte e os seus múltiplos significados, valores e funções;
Arte e arquitetura; interpretação e análise formal;
Perspetivas interdisciplinares em torno da arte contemporânea (psicologia, pedagogia, antropologia, crítica, história, linguística, entre outros);
Diálogos arquitetónicos: da Casa (Art Déco) ao Museu de Serralves (Siza Vieira).
Cada sessão é dedicada a um tema, escolhido em função das preferências indicadas pelo grupo visitante no momento da marcação desta atividade.
Conceção e orientação: José Maia, Pedro Cachapuz, Rita Martins, Samuel Silva, Talkie-Walkie
Público-alvo: ensino básico (3º ciclo), ensino secundário, ensino superior e grupos de professores ou outros educadores
Funcionamento: 2h duração
Lotação: 10 pessoas (mín.)/20 pessoas (máx.)

Ser Amigo faz a diferença.
Junte-se a nós! 

MoradaRua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto Portugal
Latitude 41º 9'35.40"N
Longitude 8º39'35.35ºW
CONTACTE-NOS 226156500
SIGA-NOS
Serralves