SESSÃO DE CINEMA: LES PLAGES D’AGNÈS | ULYSSE

RETROSPETIVA AGNES VARDA
Auditório da Casa do Cinema Manoel de Oliveira
11 DEZ 2022 | 17H00

Todos os filmes serão apresentados na sua língua original e legendados em português.

Por motivos de força maior o programa poderá ser alterado.


__________


Acesso

Bilhete (1 sessão): 3€

Estudante/Jovem, Maiores de 65 e Amigos de Serralves: 1,5€

O acesso ao Auditório da Casa do Cinema é feito pela Rua de Serralves nº 873, 30 minutos antes do início da sessão.

Pad2 800x450 cover

11 DEZ | DOM | 17H00
ULYSSE |
LES PLAGES D’AGNÈS

FR, 1982-2008, 134 min.

ULYSSE
FR, 1982, 22 min.


À beira-mar, uma cabra, uma criança e o homem. A cabra está morta, a criança chama-se Ulysse e o homem está nu e olha a linha do horizonte. Esta é uma fotografia que Agnès Varda fez em 1954. Quase três décadas depois a realizadora vai ao encontro desse homem e dessa criança (agora já adulto) para tentar descortinar o processo criativo que esteve por de trás dessa imagem feita de modo intuitivo. Só que, com o tempo, cada um lembra (ou esquece) de forma diferente. O imaginário anima a imagem fixa e a memória transfigura o passado à luz do presente.


LES PLAGES D’AGNÈS
FR, 2008, 112 min.


Escreveu Agnès Varda, “é uma ideia engraçada passar para a frente da ribalta e filmar um autorretrato quando já se tem quase 80 anos. Foi algo que começou a germinar na minha cabeça um dia, na praia de Noirmoutier, ao recordar as várias praias que haviam marcado minha vida. A partir daí as praias tornaram-se um pretexto e capítulos naturais do filme.” Varda coloca-se em cena entre os excertos dos seus filmes, imagens e reportagens enquanto partilha com humor e emoção o seu percurso: os primeiros passos como fotógrafa de teatro, cineasta nos anos cinquenta, a vida com Jacques Demy, a sua militância feminista, as viagens a Cuba, à China e aos EUA, o percurso de produtora independente, a sua vida em família e o amor pelas praias. Um filme de uma mulher livre e curiosa.

A DECORRER

TERMINADAS