SEVEN SONGS FOR MALCOM X

Cinema

Casa do Cinema
17 OUT 2020

Horário: 17:00

A atividade decorre no Auditório do Museu




URBAN RASHOMON

Khalik Allah

USA | 2013 | 21 min.


THE CRY OF JAZZ

Edward Bland

USA | 1959 | 34 min.


SEVEN SONGS FOR MALCOM X

John Akomfrah

USA | 1993 | 52 min.

Pad2 800x450 cover

Neste último capítulo do ciclo exploram-se as complexas relações entre as práticas e recursos audiovisuais do cinema e as dinâmicas próprias da produção e interpretação musicais, em particular, da música negra norte-americana. Nela exploram-se e dão-se a ver estratégias de intermedialidade artística que importem os avanços da cultura negra nas áreas da música, da dança e da oratória para o território audiovisual. Segundo Arthur Jafa, o epíteto da produção artística negra (e da cultura negra como um todo) dá-se nas manifestações musicais (do jazz ao hip-hop), onde estas são a forma dominante. Como tal, a promoção de um avanço estético do cinema especificamente negro só terá a ganhar com a identificação e compreensão das variáveis que marcam essa singularidade e popularidade.  

Os filmes que compõem as duas sessões desta última parte do ciclo TheDark Matter of Black Cinema abordam o universo da música – em particular do jazz - tanto a nível temático como ao nível formal, através do envolvimento de músicos na prática do cinema, como realizadores, técnicos ou atores. A primeira sessão é dedicada a um realizador do movimento L. A. Rebellion que muito marcou a relação de Jafa com o cinema, Larry Clark, e aquele que foi considerado “o único filme jazzístico da História do Cinema”, PassingThrough (antecedido pela provocação revoltosa do músico-realizador EdBland). Já a segunda sessão é feita sob a égide da reivindicação, com a montagem onírica de Dawn Suggs, a fotografia de rua (e de denúncia) de Khalik Allah e a lauda ao pai da revolução negra, Malcolm X, “o homem mais zangado da América”. Esta segunda parte é, portanto, caracterizada por objetos de natureza exploratória que procuram abrir caminho às possibilidades do cinema como arte de síntese de toda uma cultura, experimentando diferentes aproximações ao ritmo da montagem, à cadência da captação e projeção das imagens e dos sons e à velocidade dos fotogramas (do maior frenesi à imagem estática).