Grande Conferência do Parque de Serralves

Fungos no restauro de ecossistemas

Biblioteca
25 - 26 OUT 2022

Conferência em inglês

Híbrido (online e presencial)
Acesso Auditório (2 dias): 50€; Desconto de 20% para Amigos de Serralves, estudantes e maiores de 65 anos.
Acesso online (2 dias): 30,00€
Bilhetes através do link.



2510 Fungos no restauro de ecossistemas

Os fungos são atores-chave no funcionamento dos ecossistemas e a necessidade de considerar os fungos no restauro dos ecossistemas é cada vez mais reconhecida. Esta conferência de 2 dias irá apresentar as mais recentes provas científicas relativas à gestão de fungos no restauro de ecossistemas, e discutir criticamente as melhores práticas. Com base nas discussões, iremos desenvolver uma "Declaração de Serralves" para informar políticas e práticas de gestão eficaz dos fungos em estratégias de restauro para proteger a biodiversidade, mitigar as alterações climáticas, e aumentar os meios de subsistência.

Coordenação Científica de Susana C. Gonçalves 

Oradores confirmados: 

Thomas Crowther

Nahuel Policelli

Anne Pringle

Liz Koziol

Colin Averill

Alice Nunes

Jacob Heilmann-Clausen

Gareth Griffith

Lynne Boddy

Mariangela Girlanda
Michael Van Nuland
Petr Kohout

 

Participação especial de Merlin Sheldrake 


PROGRAMA

25 OUTUBRO 2022

DIA 1


CHEGADA / REGISTO
10:00

ABERTURA
10:30-11:00
Ana Pinho
Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Fundação de Serralves
Helena Freitas
Diretora do Parque de Serralves
Tiago Oliveira
Presidente da AGIF - Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais
Susana C. Gonçalves
Membro do Comité de Conservação de Fungos da IUCN SSC  

 

SESSÃO 1 – FUNGOS PARA O RESTAURO DE ECOSSISTEMAS –

 

11:00-11:30

A importância da biodiversidade fúngica no restauro do ecossistema global.

Thomas Crowther

ETH Zürich, Zürich, Suíça

 A biodiversidade fúngica é fundamental para o estabelecimento e estabilidade de ecossistemas saudáveis. Mas é também essencial para determinar as caraterísticas dos ecossistemas que daí resultam. Irei concentrar-me na biogeografia funcional da biodiversidade fúngica e no seu papel na regulação dos fluxos de carbono, dentro dos ecossistemas terrestres. Vemos diferenças notáveis na fixação e armazenamento de carbono terrestre entre comunidades microbianas distintas a grandes escalas espaciais. Isto sublinha a importância de compreender a biogeografia funcional da biodiversidade fúngica, a fim de compreender o ciclo do carbono terrestre. Mas também destaca a necessidade de considerar a saúde da biodiversidade fúngica ao considerar os esforços para restaurar e gerir ecossistemas degradados.

11:30-12:00

COFFEE BREAK

 

12:00-12:30

De volta às raízes - O papel dos fungos ectomicorrízicos no restauro de florestas temperadas e boreais.

Nahuel Policelli

Universidade de Boston, EUA

 

As árvores florestais dependem de fungos simbióticos do solo para sobreviver, crescer e tolerar condições ambientais severas. Se, e como, estes fungos podem beneficiar projetos de restauro de florestas temperadas e boreais é ainda uma questão em aberto. Compilámos as provas que mostram como a utilização ativa de um grupo de simbiontes fúngicos, fungos ectomicorrízicos, pode ajudar a atingir objetivos promissores de restauro em locais contaminados com metais pesados, afetados pela erosão do solo, e degradados devido ao abate de árvores e aos incêndios florestais. Com base nessas provas, discutiremos as limitações, lacunas de conhecimento, e possíveis resultados indesejáveis da utilização de fungos ectomicorrízicos no restauro florestal. Mesmo ao considerar estas limitações, as interações entre fungos ectomicorrízicos e hospedeiros poderia melhorar as hipóteses de sucesso de futuros programas de restauro em florestas boreais e temperadas.

 

12:30-13:00

O problema dos fungos micorrízicos invasores.

Anne Pringle

Universidade de Wisconsin-Madison, EUA

 

As árvores urbanas são uma infraestrutura essencial nas cidades sustentáveis, proporcionando benefícios que vão desde a modulação da temperatura até ao habitat da vida selvagem. Para crescer bem, as árvores requerem uma série de micróbios benéficos, incluindo fungos micorrízicos. Pouco se sabe sobre como aproveitar os fungos micorrízicos para promover o crescimento das plantas nas cidades, e por vezes são utilizados inóculos comerciais para inocular as plântulas. O uso indiscriminado de fungos de origem duvidosa é um problema, em parte porque os fungos introduzidos podem invadir as florestas locais. Como alternativa, propomos e testámos um protocolo simples para fornecer simbiontes locais eficazes às árvores urbanas. Trabalhando na enorme cidade de Bogotá na Colômbia, medimos pela primeira vez a intensidade da colonização de árvores urbanas por fungos micorrízicos, em comparação com as árvores rurais. Medimos a colonização radicular ectomicorrízica de Quercus humboldtii urbano e rural (o carvalho andino) e a colonização radicular endomicorrízica de Retrophyllum rospigliosii (o pinheiro romerón) urbano e rural. Em ambas as espécies, as árvores rurais estão significativamente mais colonizadas do que as árvores urbanas e as diferenças estão correlacionadas com os níveis de nutrientes do solo. Em seguida, testámos o efeito da adição de solo nativo recolhido de habitats rurais em plântulas de carvalho andino e pinheiro romerón. Baseando a nossa experiência no mesmo viveiro utilizado para cultivar mudas de árvores para a cidade de Bogotá, testámos quatro tratamentos: um controlo, a utilização de fertilizante comercial apenas, a inoculação apenas por solo nativo, e a combinação de fertilizante comercial e solo nativo. Surpreendentemente, este último tratamento resultou no maior crescimento e taxa de crescimento relativo (RGR) de plantas, medido tanto pela altura, como pelo diâmetro do caule ao longo dos 21 meses de experiência. Os nossos resultados sugerem uma nova estratégia para permitir o crescimento de árvores nas cidades, no entanto questões relevantes, para as quais ainda não temos resposta, incluem como escalar de forma sustentável a propagação de solos nativos para satisfazer as necessidades das cidades, onde se inclui Bogotá. No entanto, sugerimos cautela e a realização de testes adicionais à utilização de transplantes de solo como ferramenta na silvicultura urbana.

 

13:00-14:30

PAUSA PARA ALMOÇO

 

SESSÃO 1 (Continuação)

14:30-15:00

Inoculações com fungos micorrízicos arbusculares no restauro de prados: quais os micróbios a utilizar, como fazê-lo, e efeitos a longo prazo nas comunidades vegetais.

Liz Koziol

Universidade do Kansas, EUA

 

As práticas atuais de restauro não podem tipicamente restabelecer toda a diversidade e composição de espécies de comunidades vegetais nativas intactas. Cada vez mais, aprendemos que os microrganismos do solo desempenham um papel central na função do ecossistema e na composição das comunidades vegetais. O nosso trabalho anterior identificou que as inoculações com fungos micorrízicos arbusculares nativos são um elemento em falta, que poderá ser aproveitado como uma ferramenta para melhorar a qualidade do restauro dos prados. Foram feitos progressos entusiasmantes nesta área de investigação em pradarias de ervas altas da região do Midwestern dos Estados Unidos.

Nesta palestra, a Drª. Koziol destacará as várias formas como temos utilizado fungos micorrízicos para melhorar o sucesso do restauro, incluindo melhorias na regeneração de vegetação nativa e inibição de plantas daninhas e não nativas. A Drª. Koziol discutirá alguns dos trabalhos de comparação de fungos nativos, fungos de solos perturbados e fungos comercialmente disponíveis. Uma vez que os métodos utilizados para distribuir inóculos nativos em restauro continuam por otimizar e que os estudos a longo prazo sobre os efeitos da inoculação são ainda raros, ela discutirá também algumas das técnicas de aplicação mais eficientes que resultaram em impactos a longo prazo na qualidade do restauro.

 

15:00-15:30

A composição dos micobiomas florestais determina o crescimento das árvores e a sequestração de carbono em toda a Europa.

Colin Averill

ETH Zürich, Zürich, Suíça

 

Quase todas as árvores na Terra formam uma simbiose radicular com fungos micorrízicos, melhorando o acesso a recursos de solo normalmente muito limitados. No entanto, embora várias décadas de investigação tenham identificado, em particular, as árvores com as quais os fungos se associam, e a maneira que isto pode afetar dramaticamente o seu crescimento e a captura de carbono num ambiente de estufa, permanece desconhecido se estas descobertas se estendem a comunidades micorrízicas complexas e diversificadas, nas florestas. Aqui reunimos um conjunto de dados relativos ao crescimento das árvores e à composição micorrízica do solo de >100 parcelas de monitorização florestal a longo prazo distribuídas por toda a Europa continental. Utilizando este conjunto de dados, perguntámos se a composição dos fungos micorrízicos do solo e os traços de aquisição de nutrientes poderiam prever a taxa de crescimento das árvores, depois de contabilizarmos os fatores ambientais comuns da produtividade florestal.

Mostramos que a composição da comunidade micorrízica está ligada a uma variação de 3 vezes no crescimento das árvores e na captura de carbono. Além disso, os múltiplos traços genómicos fúngicos foram preditivos destes efeitos de composição. As comunidades fúngicas micorrízicas florestais que investiram comparativamente mais na captura de nutrientes inorgânicos, em comparação com as estratégias de aquisição de nutrientes orgânicos, estavam ligadas a um crescimento mais rápido das árvores, consistente com a hipótese de que os nutrientes orgânicos são ecologicamente mais caros de adquirir. Finalmente, identificámos espécies indicadoras chave destes efeitos, lançando as bases para testar como diferentes fungos podem ser aplicados para melhorar o crescimento das árvores e a sequestração de carbono. À medida que os estudos genómicos do microbioma florestal se generalizam, prevemos que surgirão mais ligações entre a biodiversidade microbiana e a função da floresta, identificando como as interações microbianas acabam por ecoar através de um ecossistema para controlar processos ecológicos à escala macro.

 

15:30-16:00

P&R e discussão

 

Sumário
Merlin Sheldrake

Universidade Vrije University Amesterdão, Países Baixos

 

16:00-16:30

COFFEE BREAK

 

FOCO EM PORTUGAL

 

16:30-17:00

Restauro de ecossistemas em Portugal. Constrangimentos e oportunidades para incluir os fungos.

Alice Nunes

Universidade de Lisboa, Portugal

 

Em Portugal, muitos projetos de restauro foram implementados nas últimas décadas, para promover o restauro de ecossistemas degradados, incluindo ecossistemas terrestres (por exemplo, florestas e agro-sistemas, áreas queimadas, pedreiras, minas), rios e zonas húmidas, ecossistemas costeiros, marinhos e insulares. A reconhecida necessidade de avaliar a sua extensão e impacto, partilhar experiências e conhecimentos e promover a comunicação entre os vários atores envolvidos (i.e. investigadores, administração pública, empresas públicas e privadas, ONGs, sociedade civil) levou à criação da Rede Portuguesa de Restauro Ecológico - ResECO -, oficialmente lançada em Agosto de 2019 como grupo de trabalho da Sociedade Portuguesa de Ecologia, e como organização afiliada da Sociedade para o Restauro Ecológico Europa, tendo agora mais de 250 membros de todo o país.

A recuperação dos ecossistemas é um desafio considerável devido à sua complexidade inerente. Os solos são a base dos sistemas terrestres, mas a sua recuperação é muitas vezes difícil e leva muito tempo. A recuperação da biodiversidade do solo, onde os fungos desempenham um papel importante, estabelecendo simbioses com as plantas (fungos micorrízicos) e como decompositores de matéria orgânica (fungos saprófitos), é particularmente complexa e desafiante. Nas ações de restauro, a reintrodução de organismos-chave do microbioma vegetal nativo pode ser fundamental para o estabelecimento bem-sucedido de plantas. A abordagem mais comum utilizando fungos consiste na inoculação de fungos micorrízicos comerciais ou nativos, juntamente com a sementeira ou plantação de plantas. Serão dados alguns exemplos de projetos de restauro em Portugal, incluindo fungos, contribuindo para uma discussão mais ampla sobre os desafios e oportunidades de incluir os fungos no restauro.

 

 

 

26 OUTUBRO 2022

DIA 2

 

SESSÃO 2 –– RESTAURO DE ECOSSISTEMAS PARA OS FUNGOS E OUTRA VIDA SELVAGEM -

 

10:00-10:30

Restauro passivo e ativo de fungos saproxílicos - uma história de sucesso em conservação.

Jacob Heilmann-Clausen

Universidade de Copenhaga, Dinamarca

 

A madeira morta é um recurso crucial para a biodiversidade florestal, sendo os fungos saproxílicos os principais agentes, disponibilizando este recurso a outros organismos, incluindo insetos e aves e mamíferos que se reproduzem nas cavidades da madeira. Devido a séculos de gestão intensificada, as quantidades de madeira morta nas florestas europeias estão reduzidas a uma pequena fração dos níveis de base naturais. Sem surpresa, isto levou a um declínio muito forte da biodiversidade saproxílica, que só recentemente foi aliviada em algumas partes da Europa, devido a esforços de conservação ativos e passivos.

Nesta palestra, darei a conhecer os primeiros resultados promissores sobre como a biodiversidade fúngica está a responder a estes esforços, tanto em casos experimentais como aplicados de conservação florestal. A madeira morta pode ser um dos habitats mais fáceis de restaurar nos ecossistemas florestais, e é evidente que a biodiversidade fúngica responde de forma surpreendentemente rápida. No entanto, está ainda por explorar com maior profundidade a que nível a resposta é mediada pelas caraterísticas das espécies e níveis de especialização de habitat, e se algumas espécies raras permanecerão em declínio, mesmo com níveis crescentes de madeira morta em algumas florestas.

 

10:30-11:00

Utilização de DNA ambiental na conservação e restauro de macrofungos CHEGD em prados antigos.

Gareth Griffith

Universidade de Aberystwyth, País de Gales, Reino Unido

 

As antigas pastagens do norte da Europa são o lar de numerosos macrofungos raros, muitos agora avaliados como globalmente Vulneráveis [VU] ou Ameaçados [EN] na Lista Vermelha da UICN, como resultado da perda de habitat em grande escala ao longo do século passado. Estas populações fúngicas distintivas, nomeadamente os coloridos WaxCaps (Hygrophoraceae) e taxa próximos nas famílias Clavariaceae, Entolomataceae, Geoglossaceae, e Dermoloma, estão restritas na Europa a pastagens com baixo teor de nutrientes e sem perturbações. Todas as espécies são biotróficas e nutricionalmente exigentes e algumas levam muitas décadas a restabelecer-se após a perturbação.

Desenvolvemos e implementámos uma abordagem de DNA ambiental (eDNA) para a deteção rápida e eficiente destes fungos, superior aos métodos anteriores que se baseavam em inventários de corpos frutíferos; os inventários de eDNA também podem ser realizados em qualquer altura do ano. Estes avanços têm sido utilizados para fazer o levantamento de uma vasta gama de locais de pastagens no Reino Unido em resposta a candidaturas para obter licenças de exploração e, num caso particular, a utilização do eDNA foi fundamental para conferir proteção legal a um local (Leasowes em Birmingham, notificado como Sítio de Interesse Científico Especial [SSSI]), a primeira utilização global do eDNA para ajudar na proteção legal de um local de vida selvagem. A nossa metodologia é também utilizada pelo Governo galês para identificar infrações aos regulamentos de AIA (Avaliação de Impacto Ambiental) em relação à intensificação agrícola, e também em avaliações de sítios de pastagem sujeitos a propostas de florestação.

É inevitável alguma perda de pastagens antigas para projetos de infraestruturas nacionais, pelo que estamos também a testar métodos de translocação de plantas, utilizando o eDNA para monitorizar alterações nas populações fúngicas.

 

11:00-11:30

Inoculação de árvores com fungos para fins de conservação.

Lynne Boddy

Universidade de Cardiff, País de Gales, Reino Unido

 

As árvores antigas e outras árvores veteranas fornecem um habitat importante não só para fungos, mas também para invertebrados e vertebrados. Só no Reino Unido, a madeira podre nas árvores é habitat para 1700 espécies de invertebrados, incluindo 15% das mais raras, por exemplo Limoniscus violaceus. A nível mundial, mais de 1000 espécies de vertebrados estão dependentes deste tipo de habitat. A madeira morta em árvores vivas é obviamente um habitat importante para uma vasta gama de fungos da podridão da madeira, incluindo espécies da Lista Vermelha, por exemplo, o raro Buglossoprus quercinus e os fungos Hericium coralloides e Hericium erinaceus. As populações de árvores veteranas estão em declínio devido à morte natural e ao abate para construção ou à percepção de problemas de segurança, mas não há árvores suficientes de plantações subsequentes para preencher a lacuna, o que representa uma enorme ameaça para os organismos dependentes. Embora muitos países tenham programas maciços de plantação de árvores, não se podem plantar árvores com 100 anos! Para mitigar esta situação, o processo de veteranização tenta infligir danos que imitam as caraterísticas naturais das árvores em decomposição, com o objetivo de criar habitat. Uma abordagem mais orientada é a inoculação de troncos de árvores com fungos apropriados da podridão do cerne para criar um habitat de madeira em decomposição. As espécies fúngicas raras também podem ser inoculadas para reintroduzir espécies em áreas de onde foram perdidas ou para reforçar as populações. Irei considerar abordagens de inoculação para a conservação, e os progressos até agora.

 

11:30-12:00

COFFEE BREAK

 

12:00-12:30

Fungos micorrízicos de orquídeas: atores-chave para a conservação das plantas hospedeiras e dos seus habitats.

Mariangela Girlanda

Universidade de Turim, Itália

 

As orquídeas são indicadores relevantes do valor de conservação dos ecossistemas, uma vez que os seus habitats se encontram entre os mais biodiversos. Por exemplo, os prados calcários secos a semi-secos estão entre as comunidades vegetais mais ricas em espécies na Europa, albergam um grande número de espécies vegetais e animais raras e em perigo de extinção e só são considerados um tipo prioritário se forem locais importantes para orquídeas. Com as orquídeas, talvez mais do que a maioria dos outros grupos de plantas, o papel dos fungos micorrízicos é crucial para o estabelecimento de populações de plantas auto-sustentáveis. A dependência dos simbiontes micorrízicos é de facto extrema nas orquídeas, uma vez que dependem da associação com fungos compatíveis mesmo para a germinação de sementes e sobrevivência das plântulas nos seus habitats naturais. Devido a uma interação tão peculiar, as orquídeas apresentam desafios particulares para a conservação. Por outro lado, o estilo de vida e a ecologia dos seus micobiontes são muito menos conhecidos do que para outros fungos micorrízicos, especialmente no caso das orquídeas fotossintéticas de habitats abertos.

A investigação sobre os reservatórios ambientais de fungos micorrízicos associados às orquídeas de pradaria europeias ilustra como o progresso nesta área fornece conhecimentos para melhorar os resultados da conservação.

 

12:30-13:00

P&R e discussão

 

Sumário

Merlin Sheldrake

Universidade Vrije Amesterdão, Países Baixos

 

13:00-14:30

PAUSA PARA ALMOÇO

 

SESSÃO 3 – FERRAMENTAS PARA A GESTÃO EFICAZ DOS FUNGOS NO RESTAURO ECOLÓGICO –

 

 

14:30-15:00

Poderá o mapeamento da biodiversidade de fungos micorrízicos auxiliar as práticas de restauro ecológico?

Michael Van Nuland

SPUN, Sociedade para a Proteção das Redes Subterrâneas

 

Os fungos micorrízicos estabelecem simbioses com raízes de plantas e constroem redes subterrâneas vastas. Estes fungos apoiam o crescimento das plantas e a saúde dos solos a nível mundial, prestam serviços ambientais críticos e desempenham um papel importante na regulação do clima da Terra. Ao contrário da diversidade animal e vegetal, não conseguimos observar diretamente a biodiversidade das redes crípticas de fungos da Terra. Documentar esta diversidade oculta é urgente, porque diferentes fungos micorrízicos estão associados a diferentes funções do ecossistema, como a extrema sequestração de carbono, maior tolerância ao stress das plantas, e ciclagem eficiente dos nutrientes. Aqui, apresentamos os primeiros esforços para mapear a diversidade de fungos micorrízicos à escala global. Em colaboração com o Laboratório Crowther (ETH Zurique) e GlobalFungi, desenvolvemos algoritmos de machine learning treinados numa grande base de dados de sequenciação fúngica que abrange quase 10.000 amostras. Estes modelos foram utilizados para prever hotspots de biodiversidade subterrânea para fungos arbusculares e ectomicorrízicos em todo o planeta, revelando certas regiões com comunidades extraordinariamente diversas destes fungos formadores de redes. Discutimos como tais hotspots marcam áreas de alta prioridade a explorar, especialmente no contexto da conservação e restauro de interações fúngicas críticas nos ecossistemas subterrâneos que enfrentam ameaças crescentes devido às alterações climáticas e de uso do solo.

 

 

15:00-15:30

Como pode a base de dados GlobalFungi ajudar a gerir os fungos no restauro de ecossistemas?

Petr Kohout

Universidade de Charles - Praga, Chéquia

 

Os fungos são atores-chave nos serviços vitais dos ecossistemas, abrangendo o ciclo do carbono, a decomposição, as associações simbióticas com plantas cultivadas e selvagens e a patogenicidade. A elevada importância dos fungos nos processos dos ecossistemas contrasta com a nossa compreensão limitada dos padrões de biogeografia fúngica e dos fatores ambientais que determinam esses padrões. Para reduzir esta lacuna de conhecimentos, recolhemos e validámos dados publicados sobre a composição das comunidades fúngicas do solo em vários ambientes, incluindo habitats associados ao solo e às plantas, e tornámo-los acessíveis ao público. A base de dados GlobalFungi contém mais de três mil milhões de observações de sequências fúngicas em > 55.000 amostras com localização geográfica e metadados adicionais e representa o atlas mais abrangente da distribuição global de fungos. A base de dados GlobalFungi pode ser utilizada para a determinação da ecologia potencial das espécies fúngicas, cálculo dos seus nichos ecológicos ou resiliência das espécies fúngicas a perturbações. A identificação das caraterísticas destas espécies irá ajudar-nos a prever melhor o papel potencial de várias espécies fúngicas no restauro de ecossistemas.  

 

15:30-16:00

P&R e discussão

 

Sumário

Merlin Sheldrake

Universidade Vrije Amesterdão, Países Baixos

 

16:00

ENCERRAMENTO

Fundação de Serralves

 

16:30-18:00

Visita guiada ao Parque, incluindo o Treetop Walk e a exposição "A Arte dos Cogumelos".

 

Mecenas do Parque:

2510 Fungos no restauro de ecossistemas
2510 Fungos no restauro de ecossistemas
2510 Fungos no restauro de ecossistemas
2510 Fungos no restauro de ecossistemas
2510 Fungos no restauro de ecossistemas

A DECORRER

TERMINADAS

Digital Product by BondHabits