PAULA REGO

O GRITO DA IMAGINAÇÃO | EM CHAVES
MACNA - Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso
09 JUL - 18 OUT 2020

A exposição "Paula Rego. O Grito da Imaginação” tem como ponto de partida o núcleo de obras de Paula Rego na Coleção de Serralves, realizadas entre 1975 e 2004, e que são representativas de várias fases de produção da artista que definiu um novo paradigma na pintura portuguesa contemporânea.

Sediado no cruzamento de memórias pessoais com múltiplas referências da tradição pictórica e literária internacionais, o trabalho de Paula Rego caracteriza-se por uma obsessiva abordagem aos aspetos mais sombrios, profundos e ambíguos das relações humanas e das articulações entre o indivíduo e o coletivo. Seja em composições mais extravagantes e repletas de humor e ironia, ou em narrativas pictóricas mais densas e cuidadosamente cenografadas, a pintora explora desassombradamente temas como o poder e a obediência, a dor física e psicológica, a vergonha e o orgulho, a violência, a solidão e a sociabilidade.

 

Exposição organizada pela Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea


Pad2 800x450 cover
Image desktop
O GRITO DA IMAGINAÇÃO | EM CHAVES

A exposição "Paula Rego. O Grito da Imaginação” tem como ponto de partida o núcleo de obras de Paula Rego na Coleção de Serralves, realizadas entre 1975 e 2004, e que são representativas de várias fases de produção da artista que definiu um novo paradigma na pintura portuguesa contemporânea.

Sediado no cruzamento de memórias pessoais com múltiplas referências da tradição pictórica e literária internacionais, o trabalho de Paula Rego caracteriza-se por uma obsessiva abordagem aos aspetos mais sombrios, profundos e ambíguos das relações humanas e das articulações entre o indivíduo e o coletivo. Seja em composições mais extravagantes e repletas de humor e ironia, ou em narrativas pictóricas mais densas e cuidadosamente cenografadas, a pintora explora desassombradamente temas como o poder e a obediência, a dor física e psicológica, a vergonha e o orgulho, a violência, a solidão e a sociabilidade.

 

Exposição organizada pela Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea