Paula Rego

O GRITO DA IMAGINAÇÃO | SÃO JOÃO DA MADEIRA
Centro de Arte Oliva, São João da Madeira
30 OUT 2020 - 18 MAI 2021


Roteiro da Exposição


A presente exposição tem como ponto de partida o núcleo de obras de Paula Rego na Coleção de Serralves, realizadas entre 1975 e 2004, e que são representativas de várias fases de produção da artista que definiu umnovo paradigma na pintura portuguesa contemporânea.

Seja em composições mais extravagantes e repletas de humor eironia, ou em narrativas pictóricas mais densas e cuidadosamente cenografadas,Paula Rego explora desassombradamente temas como o poder e a obediência, a dorfísica e psicológica, a vergonha e o orgulho, a violência, a solidão e asociabilidade.

Em pano de fundo, encontramos a sempre reafirmada capacidadeda arte de Paula Rego, nomeadamente na sua vertente figurativa, para evidenciaro papel da mulher na sociedade contemporânea, questionar o quotidiano e, acimade tudo, revelar universos onde a surpresa e o espanto se ancoram nos maisbásicos e fundamentais anseios do ser humano.

Exposição organizada pela Fundação de Serralves – Museu deArte Contemporânea e comissariada por Marta Moreira de Almeida.

 


Imagem: Paula Rego, The Vivian Girls on the Farm, 1984 – 1985. Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea,Porto. Prémio Benetton / Amadeo de Souza-Cardoso em 1987, 1989

Pad2 800x450 cover

A DECORRER

TERMINADAS

Não há atividades para apresentar

Não há atividades para apresentar

Image desktop
O GRITO DA IMAGINAÇÃO | SÃO JOÃO DA MADEIRA


Roteiro da Exposição


A presente exposição tem como ponto de partida o núcleo de obras de Paula Rego na Coleção de Serralves, realizadas entre 1975 e 2004, e que são representativas de várias fases de produção da artista que definiu umnovo paradigma na pintura portuguesa contemporânea.

Seja em composições mais extravagantes e repletas de humor eironia, ou em narrativas pictóricas mais densas e cuidadosamente cenografadas,Paula Rego explora desassombradamente temas como o poder e a obediência, a dorfísica e psicológica, a vergonha e o orgulho, a violência, a solidão e asociabilidade.

Em pano de fundo, encontramos a sempre reafirmada capacidadeda arte de Paula Rego, nomeadamente na sua vertente figurativa, para evidenciaro papel da mulher na sociedade contemporânea, questionar o quotidiano e, acimade tudo, revelar universos onde a surpresa e o espanto se ancoram nos maisbásicos e fundamentais anseios do ser humano.

Exposição organizada pela Fundação de Serralves – Museu deArte Contemporânea e comissariada por Marta Moreira de Almeida.

 


Imagem: Paula Rego, The Vivian Girls on the Farm, 1984 – 1985. Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea,Porto. Prémio Benetton / Amadeo de Souza-Cardoso em 1987, 1989