MANOEL DE OLIVEIRA: A COMUNIDADE

Casa das Artes de Famalicão
Centro de Artes de Famalicão
07 OUT 2021 – 26 JAN 2022

Imagem: Manoel de Oliveira, A Caça (The Hunt), 1964


Esta exposição propõe um percurso pelo cinema de Manoel de Oliveira, tendo por foco o modo como os seus filmes interrogam, de diferentes maneiras, a amplitude e os contornos da noção de comunidade. Declinando a questão a partir de distintos pontos de vista, a meio caminho entre a etnografia, a história, a sociologia, e sondando os alicerces identitários, simbólicos, culturais que, ao longo de mais de oitenta anos, foram dando forma à comunidade nacional e moldando o seu imaginário, a obra do realizador foi sendo também um perspicaz barómetro crítico do seu tempo. Oliveira produziu uma obra que se pensa a si própria, tendo frequentemente trabalhado com uma mesma família de atores, de que resultou uma das comunidades fílmicas mais reconhecíveis do cinema português.

 

Partindo do acervo documental de Manoel de Oliveira, integralmente depositado na Fundação de Serralves, a exposição coloca em diálogo diversos materiais de trabalho (guiões, correspondência, fotografias de repérage e de rodagem, recortes de jornal, entre outros documentos) e excertos de filmes representativos do modo como o realizador retratou diferentes comunidades.

 

Organização: Fundação de Serralves — Casa do Cinema Manoel de Oliveira

 

Pad2 800x450 cover

A DECORRER

TERMINADAS

Image desktop
Casa das Artes de Famalicão

Imagem: Manoel de Oliveira, A Caça (The Hunt), 1964


Esta exposição propõe um percurso pelo cinema de Manoel de Oliveira, tendo por foco o modo como os seus filmes interrogam, de diferentes maneiras, a amplitude e os contornos da noção de comunidade. Declinando a questão a partir de distintos pontos de vista, a meio caminho entre a etnografia, a história, a sociologia, e sondando os alicerces identitários, simbólicos, culturais que, ao longo de mais de oitenta anos, foram dando forma à comunidade nacional e moldando o seu imaginário, a obra do realizador foi sendo também um perspicaz barómetro crítico do seu tempo. Oliveira produziu uma obra que se pensa a si própria, tendo frequentemente trabalhado com uma mesma família de atores, de que resultou uma das comunidades fílmicas mais reconhecíveis do cinema português.

 

Partindo do acervo documental de Manoel de Oliveira, integralmente depositado na Fundação de Serralves, a exposição coloca em diálogo diversos materiais de trabalho (guiões, correspondência, fotografias de repérage e de rodagem, recortes de jornal, entre outros documentos) e excertos de filmes representativos do modo como o realizador retratou diferentes comunidades.

 

Organização: Fundação de Serralves — Casa do Cinema Manoel de Oliveira