micro | macro [pavilhão]

Parque
11 NOV 2022 - SET 2023

As sessões acontecem  de 30 em 30  minutos.

Cada sessão tem 11’ de duração e o público é convidado a assistir na sua íntegra.

Limitação é  de 25 pessoas, atingido este número solicita-se aos visitantes que esperem para a sessão seguinte.

Os visitantes devem tirar os sapatos à entrada.

É proibido  pisar a placa de inox que está no chão.

Visitantes que sofrem de epilepsia não devem assistir à sessão.

Acesso: Bilhete Geral ou Bilhete Museu.

<p>Fotografia: Francisco Ascensão</p><p></p>

Fotografia: Francisco Ascensão

ROTEIRO DA EXPOSIÇÃO

O convite feito a Ryoji Ikeda para conceber um pavilhão temporário no Parque enquadra-se numa prática continuada de convidar artistas para criar e instalar trabalhos no património natural de Serralves. O projeto estende-se a outros participantes, nomeadamente ao arquiteto Nuno Brandão Costa.

A intenção de Ikeda é proporcionar uma experiência cinemática intensa, criando no pavilhão um ambiente imersivo que combina arquitetura, instalação e música, comparável ao de uma sinfonia. O artista refere-se a este projeto como o culminar de dezoito anos de trabalho.

 

A face exterior da estrutura tem um acabamento imaculado, como uma escultura amorfa sem significado: um “monólito negro” que procura a simplicidade na perfeição da forma, este objeto pretende transmitir a experiência do todo, com uma cumplicidade suplementar entre exterior e interior. O seu objetivo, como o da metafísica ou do esoterismo, é a pureza visual.

 

Ryoji Ikeda (1966, Gifu, Japão), um dos mais destacados compositores eletrónicos e artistas visuais do Japão, explora as características essenciais do próprio som e de elementos visuais como a luz, tanto através da precisão matemática como da estética matemática. Ikeda impôs-se como um dos poucos artistas internacionais que conseguem trabalhar convincentemente no cruzamento entre o universo sónico e o visual: orquestra de modo elaborado som, materiais visuais, fenómenos físicos e noções matemáticas em performances ao vivo e instalações imersivas. Para além da sua atividade apenas musical, Ikeda tem trabalhado em projetos de longa duração que se traduzem também em livros e CDs.

 

Nuno Brandão Costa formou-se na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP) em 1994, onde se doutorou em 2013 e leciona desde 1999. Foi assistente dos Professores Domingos Tavares e Pedro Ramalho, e é atualmente professor auxiliar do Projeto 4, unidade curricular que lecciona desde 2001. Com José Miguel Rodrigues, foi coordenador da opção E — “Teoria e Práticas de Projeto” — do programa de doutoramento da FAUP.

 

conceito e composição: Ryoji Ikeda

computação gráfica e programação: Norimichi Hirakawa, Ryo Shiraki, Tomonaga Tokuyama

arquiteto: Nuno Brandão Costa

encomenda da Fundação de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto


A exposição recebeu o apoio de Corticeira Amorim e Fundación Almine y Bernard Ruiz-Picasso para el Arte.

Este projeto contou com o apoio imprescindível do programa S+T+ARTS, promovido pela Comissão Europeia. 

2210 micro | macro [pavilhão]

VER MENOS

VER MAIS

Fotografias: Francisco Ascensão
2210 micro | macro [pavilhão]
2210 micro | macro [pavilhão]

A DECORRER

TERMINADAS

Website desenvolvido por BondHabits