Quem conta um conto... Paula Rego na Coleção de Serralves

Museu
27 OUT 2022 - 30 ABR 2023
<p>A cela, 1997. Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Doação da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, em 1999. Foto: © Filipe Braga</p>

A cela, 1997. Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Doação da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, em 1999. Foto: © Filipe Braga

“Quem conta um conto acrescenta um ponto” é um ditado popular que se utiliza para indicar que cada pessoa relata um mesmo acontecimento ou facto acrescentando pormenores da sua autoria. “Contar contos” é uma das expressões que melhor definem o trabalho da artista Paula Rego (Lisboa, 1935 – Londres, 2022); “acrescentar pontos” – no fundo aquilo que fazem todos os leitores e espectadores –, é a expressão que define com maior precisão os visitantes de exposições.


Paula Rego foi uma das artistas portuguesas com maior reconhecimento no país onde nasceu e cresceu (Portugal), em Inglaterra, onde estudou e viveu até à sua morte, e um pouco por todo o mundo. As leituras da sua obra sublinharam sobretudo a relação da sua pintura e dos seus desenhos e gravuras com contos populares e tradicionais (muitos de origem portuguesa), com a literatura (infantil e não só) e com a sua autobiografia (especialmente a sua infância), bem como com a sua contribuição para uma constante interrogação e redefinição do papel da mulher na sociedade.


Organizada no ano em que Paula Rego desapareceu, esta exposição, que apresenta uma quantidade assinalável de obras da artista integradas na Coleção de Serralves – entre elas o impactante políptico Possessão (2004) –, é uma oportunidade para apreciar novamente o seu trabalho.

Mecenas da Exposição

2210 Quem conta um conto... Paula Rego na Coleção de Serralves

VER MENOS

VER MAIS

Fotografias: Filipe Braga
2210 Quem conta um conto... Paula Rego na Coleção de Serralves
2210 Quem conta um conto... Paula Rego na Coleção de Serralves

A DECORRER

TERMINADAS

Digital Product by BondHabits