Conversa com a Diretora de Fotografia Sabine Lancelin

Conferência e Cinema

Casa do Cinema
26 JUN 2021

Horário: 17:00

Pad2 800x450 cover


 

Sabine Lancelin é uma das mais experientes diretoras de fotografia europeias, tendo assumido a imagem de muitos dos filmes mais recentes de Manoel de Oliveira – nomeadamente, Je Rentre à la Maison (2001), O Quinto Império: Ontem como Hoje (2005), Belle Toujours (2007), Cristóvão Colombo: O Enigma (2008), Singularidades de uma Rapariga Loura (2009) e O Estranho Caso de Angélica (2011) – e colaborado com realizadores tão marcantes do cinema contemporâneo como Chantal Akerman, Alain Guiraudie, Philippe Grandrieux, Raoul Ruiz, Michel Piccoli, entre outros. Nesta conversa-conferência conduzida por António Preto, diretor da Casa do Cinema, Sabine Lancelin falará dos desafios que se colocam hoje à direção de fotografia em cinema partindo da sua prática com alguns dos realizadores com quem trabalhou e, de um modo particular, das suas colaborações com Manoel de Oliveira.

 

No final apresentar-se-á Je Rentre à la Maison (Vou Para Casa, 2001), o primeiro filme de Oliveira que contou com a colaboração de Sabine Lancelin. Este filme foi diretamente inspirado por um incidente ocorrido durante a rodagem do filme anterior, Palavra e Utopia (2000), em que Manoel de Oliveira convidou o ator Renato De Carmine para, numa emergência de última hora, substituir Michel Piccoli no papel do padre Jeronimo Cattaeno. O diálogo era extenso, o tempo para o decorar era escasso e Oliveira pretendia filmá-lo numa só toma. Apesar de ser um ator experiente, De Carmine enganou-se repetidamente e, em desespero de causa, abandonou o plateau dizendo: «Ritorno a casa». Impressionando com o drama daquele velho ator, Oliveira teve imediatamente a ideia de daí fazer um filme. Piccoli, que involuntariamente fora o causador desta situação, viria a assumir o papel desse mesmo ator consagrado que, no fim da vida, se vê obrigado a sair de cena em “Vou Para Casa”.

S 800xnull Contain
Sabine Lancelin
Image
Image mobile

Nascida em Kinshasa, na República Democrática do Congo, em 1959, Sabine Lancelin começa a trabalhar em fotografia para cinema no final dos anos 1980, inicialmente como assistente, tendo integrado a equipa de L’Ami de mon amie (1987), de Éric Rohmer, e de Le Temps retrouvé (1999), de Raoul Ruiz. Terá sido na rodagem deste último, produzido pelo português Paulo Branco, que Sabine Lancelin começa a ser chamada a filmar várias das suas produções, nomeadamente La Captive (2000), de Chantal Akerman, La Plage noire (2001), realizado por Michel Piccoli, e sucessivos filmes de Manoel de Oliveira. Será pela sua mão que Oliveira começará a filmar em suporte digital, a partir de Cristóvão Colombo – O Enigma (2008).

A DECORRER

TERMINADAS

Não há atividades para apresentar

Não há atividades para apresentar