THE STUDIO

JORGE QUEIROZ NA COLEÇÃO DE SERRALVES
Museu
24 JUL 2020 A 17 JAN 2021
Pad2 800x450 cover

The Studio reúne as obras de Jorge Queiroz (Lisboa, 1966) pertencentes à Coleção de Serralves. Este núcleo, composto por dezoito desenhos e uma pintura, demonstra a importância dos trabalhos sobre papel ao longo de todo o percurso artístico de Queiroz, iniciado nos finais da década de 1980.

Cronologicamente coincidente com a renovação da performance e a afirmação do vídeo e dos novos meios de base tecnológica (em que o artista fez incursões pontuais), a crescente atenção de Jorge Queiroz à pintura a partir dos anos 1990 confere à sua sólida carreira nacional e internacional uma forte marca autoral.

A obra de Jorge Queiroz distingue-se pela criação de universos singulares e de cariz onírico. As suas representações oscilam entre o real e o fantástico, entre a figuração e a abstração. Figuras, arquiteturas, formas e paisagens fundem-se, fragmentam-se e metamorfoseiam-se. Elementos reconhecíveis conjugam-se com intrigantes formas híbridas e ambíguas que em alguns casos ressurgem em vários desenhos e pinturas, indiciando um processo de trabalho contínuo e poroso. Convocado para as explorar e ler, o espectador percorre as composições –  frequentemente dispersas e fluidas – procurando uma narrativa possível.



Imagem:

Jorge Queiroz

Sem título, 2007

Guache, pastel, tinta japonesa, lápis sobre papel 

Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição em 2007

Foto: Filipe Braga


Image
Image


Media Partner

800.null contain

A DECORRER

TERMINADAS

Image desktop
JORGE QUEIROZ NA COLEÇÃO DE SERRALVES

The Studio reúne as obras de Jorge Queiroz (Lisboa, 1966) pertencentes à Coleção de Serralves. Este núcleo, composto por dezoito desenhos e uma pintura, demonstra a importância dos trabalhos sobre papel ao longo de todo o percurso artístico de Queiroz, iniciado nos finais da década de 1980.

Cronologicamente coincidente com a renovação da performance e a afirmação do vídeo e dos novos meios de base tecnológica (em que o artista fez incursões pontuais), a crescente atenção de Jorge Queiroz à pintura a partir dos anos 1990 confere à sua sólida carreira nacional e internacional uma forte marca autoral.

A obra de Jorge Queiroz distingue-se pela criação de universos singulares e de cariz onírico. As suas representações oscilam entre o real e o fantástico, entre a figuração e a abstração. Figuras, arquiteturas, formas e paisagens fundem-se, fragmentam-se e metamorfoseiam-se. Elementos reconhecíveis conjugam-se com intrigantes formas híbridas e ambíguas que em alguns casos ressurgem em vários desenhos e pinturas, indiciando um processo de trabalho contínuo e poroso. Convocado para as explorar e ler, o espectador percorre as composições –  frequentemente dispersas e fluidas – procurando uma narrativa possível.



Imagem:

Jorge Queiroz

Sem título, 2007

Guache, pastel, tinta japonesa, lápis sobre papel 

Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição em 2007

Foto: Filipe Braga