THE STUDIO

JORGE QUEIROZ NA COLEÇÃO DE SERRALVES
Museum
24 JUL A 20 SET 2020

The Studio reúne as obras de Jorge Queiroz (Lisboa, 1966) pertencentes à Coleção de Serralves. Este núcleo, composto por dezoito desenhos e uma pintura, demonstra a importância dos trabalhos sobre papel ao longo de todo o percurso artístico de Queiroz, iniciado nos finais da década de 1980.

Cronologicamente coincidente com a renovação da performance e a afirmação do vídeo e dos novos meios de base tecnológica (em que o artista fez incursões pontuais), a crescente atenção de Jorge Queiroz à pintura a partir dos anos 1990 confere à sua sólida carreira nacional e internacional uma forte marca autoral.

A obra de Jorge Queiroz distingue-se pela criação de universos singulares e de cariz onírico. As suas representações oscilam entre o real e o fantástico, entre a figuração e a abstração. Figuras, arquiteturas, formas e paisagens fundem-se, fragmentam-se e metamorfoseiam-se. Elementos reconhecíveis conjugam-se com intrigantes formas híbridas e ambíguas que em alguns casos ressurgem em vários desenhos e pinturas, indiciando um processo de trabalho contínuo e poroso. Convocado para as explorar e ler, o espectador percorre as composições –  frequentemente dispersas e fluidas – procurando uma narrativa possível.



Imagem:

Jorge Queiroz

Sem título, 2007

Guache, pastel, tinta japonesa, lápis sobre papel 

Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição em 2007

Foto: Filipe Braga

Pad2 800x450 cover

On going

Past

No events to display

No events to display

Image desktop
JORGE QUEIROZ NA COLEÇÃO DE SERRALVES

The Studio reúne as obras de Jorge Queiroz (Lisboa, 1966) pertencentes à Coleção de Serralves. Este núcleo, composto por dezoito desenhos e uma pintura, demonstra a importância dos trabalhos sobre papel ao longo de todo o percurso artístico de Queiroz, iniciado nos finais da década de 1980.

Cronologicamente coincidente com a renovação da performance e a afirmação do vídeo e dos novos meios de base tecnológica (em que o artista fez incursões pontuais), a crescente atenção de Jorge Queiroz à pintura a partir dos anos 1990 confere à sua sólida carreira nacional e internacional uma forte marca autoral.

A obra de Jorge Queiroz distingue-se pela criação de universos singulares e de cariz onírico. As suas representações oscilam entre o real e o fantástico, entre a figuração e a abstração. Figuras, arquiteturas, formas e paisagens fundem-se, fragmentam-se e metamorfoseiam-se. Elementos reconhecíveis conjugam-se com intrigantes formas híbridas e ambíguas que em alguns casos ressurgem em vários desenhos e pinturas, indiciando um processo de trabalho contínuo e poroso. Convocado para as explorar e ler, o espectador percorre as composições –  frequentemente dispersas e fluidas – procurando uma narrativa possível.



Imagem:

Jorge Queiroz

Sem título, 2007

Guache, pastel, tinta japonesa, lápis sobre papel 

Col. Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição em 2007

Foto: Filipe Braga