Manoel de Oliveira Fotógrafo

Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian
Fundação Calouste Gulbenkian
29 OUT 2021 - 17 JAN 2022

Horário: 10:00 – 18:00


A exposição organizada pela Casa do Cinema Manoel de Oliveira – Fundação de Serralves apresenta mais de uma centena de fotografias produzidas entre o final dos anos 1930 e meados dos anos 1950, na sua maioria inéditas.

Esta exposição vem desvendar uma nova faceta do Mestre do Cinema Português:  a de Manoel de Oliveira Fotógrafo.


São mais de uma centena de fotografias a preto-e-branco, na sua maioria inéditas, que percorrem vários géneros e temáticas. Guardadas durante décadas no arquivo pessoal do realizador, estas imagens estáticas vêm revelar uma faceta até agora desconhecida de Manoel de Oliveira: a de fotógrafo.


Produzidas entre finais de 1930 e meados dos anos 50 do século XX, estas imagens não só exibem a curiosidade de Manoel de Oliveira pelos fenómenos óticos, como ajudam a contextualizar o rigor de composição que carateriza os seus filmes e ainda abrem novas perspetivas sobre a evolução da sua obra cinematográfica.


Uma mostra de fotografias do Acervo de Manoel de Oliveira, Casa do Cinema Manoel de Oliveira — Fundação de Serralves, Porto, com a curadoria de António Preto.


Pad2 800x450 cover

A DECORRER

TERMINADAS

Image desktop
Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian


A exposição organizada pela Casa do Cinema Manoel de Oliveira – Fundação de Serralves apresenta mais de uma centena de fotografias produzidas entre o final dos anos 1930 e meados dos anos 1950, na sua maioria inéditas.

Esta exposição vem desvendar uma nova faceta do Mestre do Cinema Português:  a de Manoel de Oliveira Fotógrafo.


São mais de uma centena de fotografias a preto-e-branco, na sua maioria inéditas, que percorrem vários géneros e temáticas. Guardadas durante décadas no arquivo pessoal do realizador, estas imagens estáticas vêm revelar uma faceta até agora desconhecida de Manoel de Oliveira: a de fotógrafo.


Produzidas entre finais de 1930 e meados dos anos 50 do século XX, estas imagens não só exibem a curiosidade de Manoel de Oliveira pelos fenómenos óticos, como ajudam a contextualizar o rigor de composição que carateriza os seus filmes e ainda abrem novas perspetivas sobre a evolução da sua obra cinematográfica.


Uma mostra de fotografias do Acervo de Manoel de Oliveira, Casa do Cinema Manoel de Oliveira — Fundação de Serralves, Porto, com a curadoria de António Preto.