Jean-Marie Straub e Danièle Huillet

Na cratera do vulcão
Casa do Cinema Manoel de Oliveira
21 SET 2023 – 24 MAR 2024
<p>Hommage à Vernon (Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, 1988)</p>

Hommage à Vernon (Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, 1988)

A Casa do Cinema Manoel de Oliveira apresenta a primeira exposição dedicada a Jean-Marie Straub (1933-2022) e Danièle Huillet (1936-2006) em Portugal. A sua obra, desenvolvida ao longo de mais seis décadas e compreendendo cerca de meia centena de filmes, realizados em diferentes países (Alemanha, França, Itália e Suíça), é um marco incontornável do cinema moderno e um exemplo expressivo de um cinema verdadeiramente interlinguístico, transnacional e pan-europeu.


O rigor da construção dos planos, a desnaturalização da representação, o foco na materialidade da palavra, a interpelação do passado e o modo como Straub e Huillet se apropriam de obras de outros autores, seja no campo da literatura, da música ou da pintura, são algumas das características que partilham com Manoel de Oliveira. Estas são igualmente as coordenadas fundamentais de um cinema eminentemente político, tanto do ponto de vista das condições de produção como da relação dialética que estabelece com o espectador. Depois da reflexão sobre o pós-guerra, que marca a fase inicial do seu percurso e se estende ao que pode designar-se como uma arqueologia da violência e da luta de classes, o cinema de Straub e Huillet antecipa uma das questões fundamentais do nosso tempo: a relação do Homem com a Natureza.


A importância que os cineastas concedem ao lugar converte-se, nesta exposição, em porta de acesso ao que, na senda da adaptação de A Morte de Empédocles (1986), drama trágico de Friedrich Hölderlin, Straub define como “comunismo utópico”, ou seja, uma síntese entre marxismo e ecologia. Radicalizando uma visão igualitária que, nos antípodas do antropocentrismo, promove a paridade entre todos os “filhos da terra”, este cinema nivela pelo mesmo horizonte ético de atenção o cuidado que dedica a filmar uma montanha, uma pedra, um ator, o chão, uma árvore, um vale ou uma clareira, um texto, uma peça musical, um inseto ou qualquer outra coisa chamada a comparecer nos seus filmes.


Straub não se cansava de repetir que “fazer a revolução é também repor no lugar coisas muito antigas, mas esquecidas”. A obra que realizaram demonstra que a análise materialista dos processos políticos, históricos e sociais implica que se assuma o compromisso de interrogar criticamente os ideais da civilização, com os seus imperativos de razão e de progresso, que volte a pensar-se a oposição entre natureza, técnica e cultura, sem que deixemos de nos perguntar porque é que este mundo, cada vez mais tomado pela produtividade, foi definitivamente desertado pelos deuses.  


Curadoria de António Preto, Diretor da Casa do Cinema Manoel de Oliveira


Paralelamente, a Casa do Cinema Manoel de Oliveira apresenta uma retrospetiva integral da obra de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet.

VER MENOS

VER MAIS

Jean-Marie Straub e Danièle Huillet: Na cratera do vulcão
Jean-Marie Straub e Danièle Huillet: Na cratera do vulcão

A DECORRER

TERMINADAS

serralves.pt desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile