PROJETOS CONTEMPORÂNEOS: HORÁCIO FRUTUOSO

Museum
15 FEV - 05 MAI 2019
Pad2 800x450 cover

"Clube de Poesia” é a primeira exposição individual de Horácio Frutuoso (Póvoa de Varzim, 1991) numa instituição museológica. Este título pode relacionar-se diretamente com duas das especificidades que singularizam a sua prática artística: a atenção à linguagem — a presença de frases escritas sobre paredes e chão de galerias, uma espacialização daquilo que historicamente se designou como poesia visual, ocupa um lugar destacado no seu percurso expositivo — e uma constante criação de sinapses, de associações.

A relação mais evidente nesta mostra é desde logo entre meios: a pintura e a escrita sobre paredes — e a escrita nas próprias pinturas — confundem-se e desestabilizam todas as hierarquias entre visualidade e leitura, com as frases a ocuparem de certa forma o lugar das tabelas que tradicionalmente acompanham pinturas, e que frequentemente fornecem elementos — títulos, nomeadamente — que permitem aos espectadores partirem para determinadas interpretações. Por outro lado, também a iconografia representada remete para a ideia de assembleia, de clube, até de sociedade secreta. Destaque-se, por exemplo, a presença de riscas horizontais brancas e negras — que pode remeter para a sinalização de malfeitores punidos pela justiça (pelo menos de desviados) — em t-shirts simplesmente dobradas, pousadas ou envergadas por um indivíduo mascarado e pelo personagem famoso (nem sempre pelos melhores motivos) Kanye West; além destas figuras podemos ver na exposição retratos de alguns dos amigos mais próximos do artista, potenciais membros de um determinado mas inominável clube. 
Assinalável é o facto de algumas pinturas declararem premeditadamente serem cópias de cópias, reproduzindo, por exemplo, além de determinadas imagens as páginas dos cadernos onde estas foram guardadas pelo artista. A solenidade retirada à pintura — meio ao qual o artista não atribui mais importância do que à escrita que frequentemente a cobre, pelo menos parcelarmente — é reforçada pelo tipo de linguagem utilizada pelo artista nas próprias telas e nas paredes, entre o registo eminentemente pessoal, diarístico (despudoramente confessional, em certos casos), que denuncia simultaneamente a permeabilidade em relação à chamada cultura popular (música e cinema de massas) e uma utilização sofisticada, literária, de diversas figuras de estilo (aliteração, sinopsia, onomatopeia, sinédoque). Outras vezes, o artista recorre simplesmente à repetição que na música se traduz em refrães ou em ritmos sincopados que nos convidam a juntarmo-nos na pista de dança. 
A escrita de Horácio Frutuoso é portátil, é uma forma de capturar aquilo que, exatamente como a dança, é fugidio, evanescente, que está prestes a desaparecer: um sonho, uma ideia, uma estranha relação entre duas coisas. Responde à urgência. É um meio leve, fácil de transportar. Como tudo na prática artística de Frutuoso, parece periférico, mas pode tornar-se central. O contrário também se aplica.                            
Exposição comissariada por Ricardo Nicolau, adjunto da Direção do Museu de Serralves. 


Image
Image

On going

Past

Image desktop