Parque

Projeto de Recuperação

Anterior

Seguinte

Lago do parque com vegetação envolvente e ponte de madeira

A alteração da função original – de espaço de habitar, privado e exclusivo, a espaço de produção e difusão de cultura, público e inclusivo, associada ao estado de conservação que caracterizava os sistemas e os lugares que constroem a paisagem de Serralves, prescreveu a necessidade de implementar um Projeto de Recuperação.

Esta intervenção permitiu, de modo integrado e antecipativo, requalificar e valorizar esta paisagem, sendo um instrumento operativo para analisar e atuar no Parque de Serralves, de forma total, sistematizada e integrada, no espaço e no tempo, tempo este que ultrapassa significativamente o decurso das obras.


O Projeto de Recuperação para o Parque de Serralves, cujos estudos se iniciaram em 2001, teve como filosofia geral de intervenção a Reabilitação. Esta consiste na adaptação dos espaços e/ou dos elementos estruturantes e de composição através de várias intervenções, as quais permitem solucionar os problemas que afetam o uso, a função e a aptidão atuais e futuras. A Reabilitação é um processo de intervenção através do qual a integridade do património é salvaguardada.


A área de intervenção definida pelo Projeto de Recuperação inclui o espaço do jardim projetado em 1932 por Jacques Gréber e outras áreas da propriedade da Fundação de Serralves, como sejam os limites Sul e Sudeste com características agrícolas, e a mata localizada a Oeste. Apenas o espaço envolvente do edifício do Museu de Arte Contemporânea, bem como a Coleção de Plantas Aromáticas, estão excluídos do Projeto de Recuperação. A empreitada de realização do projeto foi subdividida em 14 áreas de execução temporal e espacialmente faseada, tendo permitido manter o Parque de Serralves aberto ao público durante a obra, investindo o próprio processo de obra, acompanhado de um plano de comunicação in situ e in visu, de uma função pedagógica.


A autoria do Projeto é partilhada entre Claudia Taborda, à altura Diretora do Parque, e que nessa qualidade definiu o seu conteúdo programático e orientou a sua produção, e João Mateus, arquiteto paisagista escolhido por concurso para a sua realização.


A conceção do Projeto de Recuperação e Valorização do Parque de Serralves foi acompanhada por um Conselho Consultivo constituído pelos arquitetos paisagistas Aurora Carapinha, Teresa Andresen, Gonçalo Ribeiro Telles e Ilídio de Araújo.