ANA VIEIRA

DA COLEÇÃO DE SERRALVES NO PALÁCIO DA BOLSA
24 JUL - 30 SET 2020
Pad2 800x450 cover

Ana Vieira (Coimbra, 1940 ? Lisboa, 2016) pertence à primeira geração de artistas portugueses que, nos anos 1960, questionou o lugar central dos meios tradicionais ? pintura e escultura ? na produção artística.

A obra Sem título (1968) integra um conjunto de trabalhos realizados pela artista no início da sua carreira que colocam em evidência a recusa da natureza da pintura e uma poética reflexiva em torno do espaço. O vazio do corpo de uma figura humana é recortado numa superfície de madeira pintada. A segmentação desta superfície em duas lâminas quebra a bidimensionalidade do contorno, ativando o espaço envolvente e suscitando o movimento do olhar e do corpo na descoberta dos limites da imagem.

Para Ana Vieira, revelar o corpo através da sua ausência, surge como "reação a qualquer forma de opacidade”, diluindo fronteiras entre pintura e escultura, interior e exterior, distância e proximidade.

Produção: Fundação de Serralves — Museu de Arte Contemporânea, Porto


On going

Past

Image desktop
DA COLEÇÃO DE SERRALVES NO PALÁCIO DA BOLSA

Ana Vieira (Coimbra, 1940 ? Lisboa, 2016) pertence à primeira geração de artistas portugueses que, nos anos 1960, questionou o lugar central dos meios tradicionais ? pintura e escultura ? na produção artística.

A obra Sem título (1968) integra um conjunto de trabalhos realizados pela artista no início da sua carreira que colocam em evidência a recusa da natureza da pintura e uma poética reflexiva em torno do espaço. O vazio do corpo de uma figura humana é recortado numa superfície de madeira pintada. A segmentação desta superfície em duas lâminas quebra a bidimensionalidade do contorno, ativando o espaço envolvente e suscitando o movimento do olhar e do corpo na descoberta dos limites da imagem.

Para Ana Vieira, revelar o corpo através da sua ausência, surge como "reação a qualquer forma de opacidade”, diluindo fronteiras entre pintura e escultura, interior e exterior, distância e proximidade.

Produção: Fundação de Serralves — Museu de Arte Contemporânea, Porto